Opa, se você chegou até aqui, vamos lá… Apesar de todos os cargos e etc., eu gosto mesmo é do termo “criativo”. Esse negócio de rótulos prende um pouco a gente. Óbvio que eles são o que organizam cada job na sua pasta, mas aqui é um pouquinho mais sobre mim.

Se for pra repassar a sessão “formação acadêmica”, aqui eu vou dar ênfase a dois cursos que eu fiz questão de colocar no currículo:

  • Design Gráfico : ETEC Carlos de Campos
  • Artes Visuais : Belas Artes de São Paulo
  • Introdução ao Cardápio Francês : SENAC/SP
  • Direção de Arte Criativa : Belas Artes de São Paulo
  • Curadoria Contemporânea : MAM/SP
  • Shopper Marketing : Fundação Armando Alvares Penteado

Acho fundamental para qualquer pessoa criativa dar vazão aos mais diversos tipos de expressão, e tenho muito orgulho dessas oportunidades de aprender coisas não tão do dia a dia, mas que fazem jus aos espírito “Maker”.

Cara, o curso de culinária francesa é incrível! A possibilidade de entender um pouquinho melhor uma cultura por meio de como as pessoas se alimentam é um dos alicerces do design e da publicidade. Afinal, se não for sobre entender pessoas, para que trabalhar com comunicação né? Desde o minimalismo gourmet até o varejão gourmand.

Curadoria então nem se fala né… Foi quase um ano e meio em uma imersão junto a um grupo de estudos talentosíssimo que resultou numa exposição do acervo do MAM sobre o Ócio como forma de resistência e greve. Deixa de lado esse negócio de ócio criativo, o esquema é o ócio reativo!

Pra ser sincero, esse negócio de virar noite na agência a base de pizza e red bull não tem glamour como alguns pensam, mas vamos falar a verdade: um projeto foda na rua é uma baita razão de orgulho!

Vejamos, o que mais?

Trabalhei como artista plástico um tanto também, cheguei a expor em algumas galerias de São Paulo, uma no Rio e minha ultima exposição antes de parar de produzir foi uns anos atrás em Porto Rico, com um edital para uma exposição da programação anual da ONU.

Estudar artes foi fundamental para mim, foi ai que eu aprendi de fato a ter senso critico, além de algumas ferramentas básicas como semiótica, defesa criativa e, claro, noções estéticas.

Enfim, por já estarmos em uma segunda página, acho que já falei de mais, não vai sobrar muito pro bate papo com cafézinho (achou que não ia ter esse clichê, né?).

Te vejo em breve, beijos!

E pra quem me achou pelo Médium e não entendeu isso tudo aqui, aproveita e dá uma olhadinha no meu portfólio.

;)