Curiosidades do Futebol #05

O futebol é mais do que 90 minutos, mais do que 22 jogadores correndo atrás de uma bola. É um esporte onde reinam fatos legais, ruins e outro bem mais bem estranhos.

1- Exeter City

Existem 2 curiosidades sobre esse time, mas elas envolvem uma única coisa: a seleção brasileira. Foi contra o modesto time inglês que a seleção do Brasil fez seu primeiro jogo. O Brasil ganhou por dois a zero, mas não pense que o time inglês ficou chateado. O clube se orgulha por ter feito parte da seleção, tanto que tem até uma área reservada a isso, com homenagens ao Fluminense também. Além disso, eles comemoram o “Brazil Day” onde estendem bandeiras pelo estádio e tem até carnaval.

O grande clássico de Exeter City e Brasil. Foto: BBC

2- St.Pauli

Se você detesta facistas, nazistas ou coisas do tipo, você já pode torcer pra alguém. O St.Pauli, time modesto da Alemanha é anti racista, antinazista e anti homofóbico, tanto que está escrito isso em seu estatuto. Além disso, o presidente do time é gay assumido e sua administração levou o time recentemente a primeira divisão alemã. O time também apoia a questão dos refugiados e recentemente se posicionou contrário ao novo presidente Jair Bolsonaro.

3- Milan

O Milan é um dos principais times da Europa, mesmo com a fase ruim atual. Mas essa fase ruim nem se compara a “Maldição dos irmãos Hintermanns”. Quando o time italiano surgiu, em 1899, já começou ganhando vários títulos, inclusive entre 1901 a 1907, o Milan ganhou diversos campeonatos italianos. Porém em 1908, alguns jogadores do próprio time não gostaram do posicionamento do clube em banir jogadores estrangeiros. Assim, os suíços Hintermanns saíram da equipe e fundaram a Internazionale, grande rival do Milan. Contudo, antes de iram para a Inter, os dois jogaram uma praga dizendo que enquanto estivessem vivos, o Milan nunca ganharia um título e a seca durou 44 anos e curiosamente, no mesmo ano faleceu o último dos irmãos suíços.

Primeira partida da Internazionale. Foto: Internazionale de Milano

4- Douglas

Uma das contratações mais estranhas foi a do Douglas para o Barcelona, mas mais estranho que isso foi sua contusão. Quando Douglas foi emprestado ao Sporting Gijón, o jogador estava escalado para um jogo, porém foi cortado da partida antes do aquecimento. O motivo? Segundo o próprio jogador, ele sentou de mal jeito no ônibus que levava ele pro jogo. Aqui tá uma dica pra falta no trabalho.

Douglas no ônibus do time espanhol. Foto: Reprodução/Instagram

5- Livorno

Se você é um dos que acham que política e futebol não se misturam, está enganado. O Livorno tem uma ligação com o comunismo. Isso se deve ao fato do primeiro partido da história da Itália surgiu e Livorno. A partir dai a torcida abraçou a ideia e é comum ver bandeiras pró-comunismo nos jogos do time. Tanto que a famosa música de resistência Bella Ciao é cantanda pela torcida e foi criada pelo próprio Livorno.

Torcida do Livorno cantando Bella Ciao

6- Benfica

Maldições no futebol existem direto e essa agora corre até os dias de hoje. Em 1962, o Benfica de Portugal conquistava a sua segunda taça europeia, então o técnico Béla Guttmann, que estava com o contrato perto do fim, pediu um aumento. O clube negou e Béla deixou a equipe e jogou uma praga: “Sem mim, nem daqui a 100 anos o Benfica conquistará uma taça europeia”. Bom já se passaram 56 anos e ainda o Benfica não ganhou e olha que já teve chances. Já foram 4 chances de ganhar tanto a Champions e 2 vezes perdeu na final da Europa League (na época com nomes diferentes).

A última final europeia da equipe portuguesa foi em 2013, perdendo pro Chelsea na final. Foto: The Independent

7- Real Madrid

Um dos times mais badalados do futebol nem sempre teve seus dias de glória. Em 1969, o Real Madrid marcou um amistoso contra um time brasileiro mas sem muita tradição, a Portuguesa da Ilha do Governador. O jogo foi 2x1 em pleno Santiago Bernabéu. E para quem acha que o Real entrou “meia-boca”, o time era tri-campeão espanhol e a partida marcava a entrega da faixa do título.

Manchete do jornal espanhol. Foto: Reprodução

8- Taça Jules Rimet

Talvez muitos saibam disso, mas só relembrando. A taça Jules Rimet, que era a antiga taça de campeão da Copa do Mundo, foi roubada da sede da CBD (antiga CBF). Até hoje os suspeitos não foram pegos e o troféu provavelmente foi derretido, mas o que pouca gente sabe é que a taça Jules Rimet, não a do Brasil, já sumiu outras 2 vezes. Em meio a Segunda Guerra, a Itália facista de Mussolini foi bi-campeã da Copa do Mundo. O então vice-presidente da FIFA Ottorino Barassi, escondeu-a debaixo de sua cama em uma caixa de sapatos. Quando a guerra acabou, ela foi devolvida.

A outra vez foi em 1966. O troféu foi roubado da vitrine de onde era exibida, na Inglaterra. A Scotland Yard prendeu o suspeito, mas ele não quis ajudar nas investigações. A taça só foi encontrada por um cão chamado Pickles enrolada em jornais. O dono ganhou 5 mil libras e um ingresso para assistir um jogo da seleção inglesa.

Pickles e seu dono mostrando o local de onde stava o troféu. Foto: UPI

9- Clermont Foot

Se por acaso você é um daqueles que acham que mulher não entende de futebol. Primeiro, Vai se ****. Segundo, as mulheres entendem sim e o Clermont é a prova viva disso. O time francês disputa segunda divisão nacional e já foi treinado 2 vezes por mulheres. A primeira experiência foi em 2014, quando o time contratou a portuguesa Helena Costa, porém ela deixou o clube em menos de dois meses, alegando amadorismo e falta de respeito por ser mulher. Mas logo em seguida, contrataram a ex-jogadora da seleção francesa Corinne Diacre e ela foi tão bem que só saiu do time em 2017 para ir treinar a seleção feminina da França.

Corinne nesse meio tempo foi eleita a melhor treinadora da Ligue 2. Foto: Thierry Zoccolan

10- Torcedoras

Ainda falando das mulheres no futebol, elas tiveram um papel não muito visto aqui no Brasil, mas elas participaram de uma coisa do futebol que percorre até hoje, a expressão “torcedor”. No século XX, assistir jogos de futebol fazia parte da vida social e as mulheres assistiam os jogos com chapéus, vestidos e luvas. E essas expressão surgiu no Rio de Janeiro, mais especificamente no estádio do Fluminense. Acontece é que elas ficavam com o calor e tiravam as luvas e as torciam de tanto nervosismo. O Coelho Filho, cronista na época, as apelidou de “torcedoras”.

As “torcedoras” do Fluminense. Foto: Lílian Miller