Futuro…

Algo que me faz refletir, me desesperar e não dormir de noite com inúmeras crises de ansiedade que me deixam com saudades de quando minhas preocupações se resumiam com um endereço e um nome.

Os anos passaram e talvez eu tenha amadurecido um pouco mais e enxergado que a vida é muito mais do que isso.

Talvez seja pelo fato de ver algumas responsabilidades chegando, a preocupação de ser “alguém” tem feito minha cabeça trabalhar na hora do sono, na hora do futebol com os amigos e no exato momento em que eu estou escrevendo esse texto.

Mas a pergunta é: “o que é ser alguém”? Talvez seja uma frescura tão grande quanto se preocupar com aquela menina que me deu um fora na oitava série, ou do que lembrar que meu pai dificilmente me olhava nos olhos (Na verdade, depende dos olhos que enxergam o problema, para alguns frescura e para outros um sentimento horrível que não tem fim)

O futuro é isso, incerto e às vezes desconfortável. Mas o tempo está a nosso favor, o futuro nem sempre é ruim, o presente é uma base para desconcertar este texto. Assumo que tenho errado no meu presente pra me sentir aflito a ponto de estar escrevendo esse texto.

Concluo que agora é hora de voltar a escrever e voltar a me sentir um pouco mais a vontade com os erros e acertos que eu cometi e que ainda vou cometer muito.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.