A formação Sportiva

é um trocadilho.

Antes de começar quero deixar claro que esse texto não tem o intuito de manchar a imagem dos professores/técnicos e muito menos do clube, aliás sou grato ao Sport por ter me proporcionado a oportunidade de estagiar em suas dependências.

Fui estágiario do Sport por dois semestres, um na natação e um no handebol. Como vocês sabem os equipamentos do clube ficam relativamente próximos, então hora ou outra eu acompanhava os treinamentos de outras modalidades, o futsal me chamou a atenção.

Quem já acompanhou algum treino/jogo do futsal do Sport das categorias mais baixas (em relação a idade) talvez tenha percebido as exigências impostas por alguns professores/treinadores e PAIS, exigências técnicas, táticas, físicas e sobretudo psicológicas.

As escolinhas esportivas trilham dois caminhos: ensinar e formar através do esporte sem pensar no alto rendimento ou ensinar e formar através do esporte pensando no alto rendimento.

Em outras palavras, algumas escolinhas os pirraias treinam pra “gastar energia" em outras eles treinam pra “gastar energia e virar jogador no futuro”.

Não há mal algum no segundo caso, desde que seja observado e respeitado as fases de desenvolvimento físico/motor e psicológico, (desenvolvimento humano de maneira geral).

Para Becker Junior (2008), a introdução de crianças em esportes
em que a sociedade atribui elevada importância ao desempenho na
competição, como os casos do futsal e do futebol para os sul­america-
nos, tende a ser problemática. Isso porque, a fim de atender às deman-
das competitivas, o processo de ensino­ treino tende a ser muito
especializado.

Alguns estudos constataram que a maior parte das sessões de treino
de futsal de iniciantes é destinada à repetição de gestos técnicos, isto
é, à especialização técnica precoce.

De maneira resumida especialização precoce no esporte é direcionar a crianca a uma única atividade/esporte, é retirar o caráter lúdico do “ser criança” para incubir a elas tarefas que ainda não estão prontas para realizar, seja do ponto de vista técnico-fisico, seja do ponto de vista psicológico. Alguns autores sugerem idades apropriadas para que aconteça a especialização esportiva, para o futebol (não achei futsal) dos 14 aos 16 anos.

Santana (2008) alerta que treinadores de futsal que visam, sobretudo, vencer campeonatos, tendem a especializar crianças prematuramente em posições e funções, prejudicando­-as quando do acesso às categorias maiores, que exigem versatilidade tática. Desta forma, os sujeitos seriam privados de um treinamento diversificado, o mais indicado para esse ciclo de vida.

Piaget (1980) afirma que o esporte coletivo exerce fascínio nas crianças muito mais pelo prazer da atividade (vivência) e pela coletividade do que pela competição.

Assim, especializar precocemente crianças no esporte pode prejudicar o desenvolvimento da criança no próprio esporte. “Mas Gabriel se elas jogam futsal elas devem fazer coisas do futsal” pois é, mas não é bem assim que deveria funcionar.

Sullivan e Anderson (2004) afirmam que programas de treinamentos para crianças jamais devem ser os mesmo dos atletas adultos, pois as crianças não possuem as mesmas habilidades, não conseguem se relacionar com os companheiros de equipe e nem entender regras e táticas como os adultos.

Criança não é uma miniatura de um adulto.

A iniciação esportiva (primeiro contato com o esporte) pode ser feita em qualquer idade, mas a partir dos 6 anos seria o ideal, já que nessa faixa etária a criança já tem desenvolvido capacidades físicas que as fazem capaz de realizar gestos motores globais como saltar, correr, arremessar.

Nessa idade ações como lançamentos, chutes, quiques e cortes também devem ser desenvolvidos, estes gestos são típicos dos jogos esportivos.

Para essa faixa (6–10) etária o treino deve ser de baixa intensidade e sem exigências de rendimento, pois a criança ainda não está preparada para receber cobranças do seu desempenho (BOMPA, 2002). Faz se importante ressaltar que cobrar muito em relação às regras, resultado/desempenho tira o caráter espontâneo e divertido da atividade.

Por apresentarem capacidade físicas semelhantes até os 10 anos de idade também se faz interessante atividades em grupos mesclados (meninos e meninas) podendo jogar juntos e até competir entre eles.

Sem me alongar (mais) muito, do ponto de vista do desenvolvimento esportivo na iniciação do futsal e de outros esportes percebe-se a ânsia por formar atletas do mais alto nível cada vez mais novos, quando na verdade a iniciação esportiva deveria ser voltada pra o desenvolvimento humano em todos os seus aspectos; e fundamentado nisso, buscar o alto rendimento.

Criança foi feita pra brincar, brincar de saltar, brincar de correr, brincar de pega pega, brincar de chutar, brincar de girar, tudo isso tem no futsal, só que com outros nomes.