Nostalgia efêmera

Screenshot by Lost in Translation — Sofia Coppola

É como aquela sensação de quando você senta na janela e observa na viagem o mundo passar a cem quilômetros por hora, como se você quisesse acompanhar a dança das arvores com o olho e perdesse. Tenho fascínio em criar desafios que não conseguirei ganhar. Existem coisas que são inexplicáveis.

Com o tempo eu vi que têm coisas que não são ditas. Que a palavra abraço preenche apenas o papel e que a saudade escrita é apenas um barco em palavra na baía de mim. Quantos mais navios hão de ancorar ou partir?

O mar, ruidoso e forte, me balança a cada lance mas também me ancora. Me envia a novos portos, com novos ventos em novas águas. É triste pensar que nunca nos banhamos duas vezes no mesmo rio, pois sempre serão outras águas, outros ventos… Nós mudamos.

Talvez pra mim essa seja a maior dificuldade, amar e entender que é efêmero.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.