Quem tem saudade nunca tá sozinho

Photo by pawlikdoc

Pode ser que um dia eu te conte todos os planos que fiz pra você, talvez comece te contando do futuro de nós dois e que, em todas as nossas manhãs você ouvia marchinhas de carnaval, seja fevereiro ou qualquer outro mês com mais de vinte e oito dias.

Quando eu te contar dos nossos dias, sinta o cheiro do café, ele foi e é um cheiro que diz muito sobre nós, fomos só os três em tantos momentos. Bebemos em comemoração quando você sorridente voltou habilitado, fazíamos de forma especial nos aniversário e ele também esteve ali quando eu tive medo de você não voltar da padaria.

A fumaça subia e eu rabiscava teus planos de viajar por aí, sem destino, sem possibilidade de volta. Assim como nossa história, um carro desgovernado em rumo ao precipício, sem freio, com força, no espaço entre o fim do asfalto e o céu. No fundo eu sempre soube que com você era entre a sanidade e a overdose. Perdi a conta de quantas vezes morri com você.

Bem, hoje somos só nós dois, o café e eu, mas ta tudo bem, ainda tenho saudade de você e é como dizem, quem tem saudade nunca tá sozinho, trás consigo sempre alguma boa lembrança, a minha é o plano do que nunca fomos e a sua?

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.