Superfícies

Ah, como eu tô tão cansada dessa sua mania de me fazer e querer ser um dia bom. Eu sou pele, osso e verdade. Eu sou minhas palavras desde pensadas. Sou impulsividade escancarada.

Caramba! Que mania de tudo ser tão bom. Todos temos um lado do tipo: “Porra, que merda de vida”. Sua perfeição me tira a vontade de começar a velha e chata, porém boa, rotina. Nem todos os dias são para ser bons. Nem todo bom dia, é um bom dia, pode ser dito apenas por educação.

Pare de arrebentar minha mente com seu sorriso escancarado de cansaço, porque eu quero te ouvir dizer que tudo foi uma verdadeira merda, que tudo pode melhorar, mas que a batalha de hoje foi perdida. É tão difícil assim admitir?

Até sua risada me deixa colérica , por ser digitada, não tenho paciência, não sei se é tão falsa quanto a que devolvi afim de ser apenas educada, pois medir palavras não é comigo.

Jogue o travesseiro pra longe, desfaça a cama e grite um belo de um “FODA-SE”. Eu tô cheia da sua superficialidade. A ponta do seu Iceberg é tão bonita que me irrita.