Menos

Eles disseram as quatro palavras mágicas para te descrever

  • Ele é completamente errado

Quando descobri que você era cheio de defeitos, percebi que não existe mais emocionante do que tentar consertar alguém.

Enquanto você aparecia bêbado na minha porta três da manhã e me enchia de razões para que eu não me apaixonasse nunca por você, meu celular apitava com mensagens de um encontro fracassado.

Ele me levou ao teatro em uma sexta-feira, e a peça era um manifesto feminista. Ele morou fora, sonha em viajar, ama cachorros e visita a avó toda quinta-feira para cozinhar. Ele não tenta me levar pra cama e admira o fato de que eu não sei o que quero da vida.

Enquanto você me levou para beber em uma "boca de porco", como descreveria o meu amigo alguns dias mais tarde, e me explicou sobre tudo o que havia de errado com seu atual e confuso relacionamento, e me encheu de razões pelas quais você estava ali, comigo, e não lá, com qualquer outra, eu tentava entender por qual razão aquela sexta-feira em um teatro feminista, em que aquele homem cheio de propósitos na vida praticamente me pediu em namoro após três cervejas, eu fugi como se tivesse matado um cachorro e escondido seu corpo no quintal da casa de trás.

Enquanto você tentou me convencer de que transar no primeiro encontro é quase um manifesto feminista, eu me peguei pensando em todas as vezes em que falei que queria um cara bom, em que admirei os namorados bonzinhos das minhas amigas e disse que, um dia, eu ia encontrar um daqueles pra mim.

Aí olhei na minha trajetórias de vida e vi que bonzinho nunca foi bom pra mim. Que eu não sou a garota que assistia conto de fadas e que ama as princesas da Disney, porque o meu negócio sempre foi e sempre será ver uma novela mexicana na hora do jantar. Que eu gostava do Carlos Daniel traindo a Maria com a Soraya, que o amor, para mim e para uma boa parcela de minhas lindas amigas solteiras (e nunca solitárias), está na ânsia de ter e no tédio de possuir.

Queremos o bonzinho para poder ter do que reclamar, porque a cada um que aparecer na nossa vida vamos achar pequenos defeitos irremediáveis, mas vamos aceitar qualquer desvio de caráter de alguém que nos faça sentir menos. Que o amor de alguém que é provavelmente incapaz de amar valida o quão especiais podemos ser, nossa capacidade de fazer alguém mudar, de tornar alguém melhor.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.