Os possíveis caminhos para a reinvenção das agências de publicidade

Por que os profissionais que fazem a publicidade estão cada vez mais incomodados com a forma que o ofício vem tomando?

É um assunto polêmico. Com opiniões vindas de todos os lados. Mas é uma certeza, não mais para um futuro e sim para um presente, para o hoje e para todos nós do mercado de comunicação. Não vou limitar o assunto ou opinião ao mercado das agências. É necessário estender a todos os participantes do processo. É para o marketing. Para o marketing moderno.

Antes, uma correção de percepção. Não é a atividade, ou mesmo as atividades das agências de publicidade que precisam mudar e serem reinventadas. Vamos simplificar tudo, ora, agências trabalham criando para os valores das marcas. Dando forma, design, expressando a mensagem delas. Ponto. Não se trata mais de publicidade. Precisamos entender qual é o produto comercializado e para quem as agências estão trabalhando. Agência não deve viver de veiculação, produção e comissão. Só assim vamos poder inclusive precificar melhor nosso trabalho. Também precisamos procurar as falhas no modelo de negócio. E por fim, reeducar quem trabalha no setor.

Amir Kassaei, diretor global de criação da DDB Worldwide, disse em artigo recente para a revista Creativity que para consertar o modelo das agências é necessário “Reconhecer que não estamos no negócio da publicidade, redefinir criatividade e capturar e saber usar a inteligência de dados.”

Resumindo, ele diz que a relevância da comunicação das marcas, a criatividade em forma de soluções realmente inovadoras e as possibilidades maximizadas pela disponibilização dos dados são, na visão dele, os três principais pontos a serem corrigidos no modelo de negócio falho que se tornou a publicidade.

Mas, para mim, não é suficiente para reinventar o negócio. E o título do artigo, reproduzido pelo portal Meio & Mensagem entrega o porquê. Ele diz “Como consertar o modelo das agências”. E consertar, não é reinventar. Mudar apenas partes do todo que é o negócio, nesse caso, é como dar asas aos carros no processo de produção e continuar com especialistas em pneus. Ainda continuamos formando diretores de arte, redatores, “planners”, executivos de conta, atendimento e todos os demais integrantes do modelo excessivamente departamentalizado que se tornou a agência de publicidade.

Em alguns centros ouvimos e lemos nomes bonitos como “Head of Art” e outros seguindo aquela velha mania de melhorar a estética sem melhorar o conteúdo e a função. Mas quem são esses meninos e meninas ávidos por prêmios e que ainda, mesmo com toda a dinâmica atual do setor, não perceberam que estão ali para incorporar e viver o DNA das marcas para as quais eles trabalham e não para montar portfólio, acumular leões e saltar de agência em agência escalando o mercado?

Eu simplifico, mais uma vez, a percepção de como é feito o trabalho de uma agência. São pessoas, trabalhando para marcas feitas por pessoas e para pessoas. Por isso, chamo de possíveis caminhos, o que proponho como sendo a reinvenção das agências.

Adequar o modelo de negócio de acordo com o modelo de mercado: Não dá para aplicar os padrões de um mercado grande aos mercados médios e pequenos. A flexibilidade se faz necessária na adequação à realidade das regiões. Estude o mercado no nordeste brasileiro e entenda o precipício que existe entre este e os mercados do sudeste. Ao contrário do que se pensa, o mercado não segue uma lógica. A inovação como modelo de administração trabalha justamente nesse sentido. Criar modelos inteligentes. Exemplo disso é a constante ida de estruturas de agências para o nordeste a procura de mão-de-obra barata para poder operacionalizar e oferecer preços menores no sudeste. Isso é assumir que há uma diferença gritante de viabilidade e de custos entre as regiões. Porém, é uma forma covarde de se ganhar com essa diversidade.

Os publicitários precisam entender de uma vez por todas que são parte do DNA das marcas para as quais eles criam: Eu gero valor para as marcas. Logo, eu sou o valor dessas marcas. O desaparecimento do conceito de publicidade e o surgimento cada vez mais nítido do conceito de branding, onde a agência está contida no processo para se gerar valor à marca, diz respeito a isso. A consistência do discurso das marcas passa pelo abraço de todos que trabalham para elas. Simples para entender, difícil de praticar.

O job deve acabar. Os projetos devem nascer. Se eu faço parte de um projeto, preciso entender a essência. É preciso acabar com as pastas e com o sentimento de se livrar de algo que te deram pra fazer. Os projetos devem fornecer soluções. Vamos ser agências de soluções e resolver problemas com inovação e criatividade.

O tão sonhado propósito: Por muito tempo o propósito das agências, nada tinha a ver com o propósito das marcas para quem elas trabalhavam. Isso precisa mudar. Um exemplo desse pensamento é a Mandalah. Eles não se definem como agência, e de fato passam longe de uma. Mas alinham o propósito da empresa com os propósitos das marcas presentes na carteira deles. O que não impede que cada um que faça parte da empresa também alinhe o seu propósito de vida. Essa é a questão do fato de cada vez mais os profissionais estarem incomodados com suas funções e o cotidiano nas agências. Todos precisam de um propósito para viver e trabalhar.

O caminho que as agências devem tomar passa por aliar o desenvolvimentos dos modelos ao desenvolvimento do ser humano que faz a agência. Essa é a sinergia que deve reger a área da comunicação.

Siga @ideiademkt


Originally published at www.ideiademarketing.com.br on March 13, 2014.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.