Tocou minhas flores, ocres, de sementes vermelhas, colei-me vagaroso prudente refinado às suas costas, tomando-lhe a mão fiz com que seus dedinhos roçassem os atalhos da minha geringonça, e depois se molhassem dentro do que ela diz doce escultura, mais doce eu disse deve ser a boca de quem pensa doçura, babaquices tamanhas […]. aquoso, demorado, meu corpo ria uma implosão de gozo, pensei porque ainda me cabia, pensei se fosse muda e nunca mais voltasse à minha cama, então quem sabe como me queima o perdê-la/ agora que há de queimar-me a vida inteira. Não é muda. Discorre inocências, é a primeira vez me diz, fala alfinetes, aquarelas, pendores, mácula nenhuma no lençol [macula peccati], então digo mancha nenhuma, antiquado pergunto se não é verdade isso do bravo sangue virginal porque de virgens, Sarita, só sei das onze mil e assim mesmo pouco, aí disserta contornos formas complacências, absolutamente douto fico sabendo de um, o complacente, gostaria de vê-lo, penso, digo: pode-se vê-lo? Afunda a cara nas penas do meu travesseiro, ri fininho, diz que louco, penso meu Deus com essa nem ela morta posso dar vida aos versos, e ao revés, eu morto, coloque-os querida, sobre a pedra, que sejam epitáfio, que tu os inventaste. Como me queima o perdê-lo/ agora que há de queimar-me a vida inteira/ mas não […].

Hilda Hist.


de mim para Pedro Queiroz.