Sabe do que eu mais tenho vergonha em todo esse processo de impeachment?

Do brasileiro.

Do brasileiro que centraliza os problemas do país em uma pessoa, esquecendo de todo um senado e uma câmara que define, altera e anula leis conforme suas necessidades.

Esse mesmo brasileiro que deseja que uma mulher seja estuprada, espancada, expulsa do país, linchada em praça pública, morta, mas que depois diz que as pessoas se vitimizam demais.

A pessoa que acompanha 3 meses de BBB com afinco (nada contra o BBB, inclusive gosto), mas que decide seu voto pegando santinho na rua no dia da eleição e reclama que a política brasileira é um lixo.

Da pessoa que diz que tem asco do PT comissionando Deus e o mundo, mas que é comissionado de um governo estadual ou municipal que é administrado por um governante tão ou mais corrupto.

Enfim, do brasileiro que trata política como se fosse futebol, soltando foguetes por causa de um processo que (legítimo ou não) desgasta a democracia e nos posiciona como uma nação bagunçada perante o resto do mundo.

Independente de que lado cada um está, que possamos entender que esse tipo de situação política em que vivemos só tem um lado derrotado: o nosso enquanto nação. Dia 02 de outubro está aí. Tomara que tenhamos aprendido a lição.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.