O que é Movimento Negro?

Imagem: O Sankofa é representado por um pássaro voltado com a cabeça para trás. Tem uma conotação simbólica de recuperação e valorização das referências culturais africanas. “Voltar e apanhar de novo aquilo que ficou para trás”; ou seja, “voltar às suas raízes e construir sobre elas o desenvolvimento, o progresso e a prosperidade de sua comunidade, em todos os aspectos da realização humana” (Glover,1969).

Aqui estão reunidas algumas reflexões sobre o Movimento Negro no Brasil. São dez coisas que muita gente negra e branca, que diz pertencer ao Movimento Negro, (principalmente aqueles ligados a partidos políticos de esquerda ou ao universo acadêmico) não admite, não explica, talvez tenha esquecido ou não tenha parado para pensar de forma mais aprofundada.

1. Movimento Negro é a juventude negra rimando, fazendo break, passinho e beat box na esquina;

2. Movimento Negro é a mãe negra que cria seus(as) filhos(as) sozinha e/ou com a ajuda de tias, avós, vizinhos; trabalha em dois ou mais empregos (domésticos) e mesmo com dificuldades incentiva os filhos a estudarem;

3. Movimento Negro é ser negro, negra e não aceitar piada racista no cotidiano, é chamar a atenção do amigo (a) branco (a) que teve uma atitude racista para que reflita sobre o que fez ou falou;

4. Movimento Negro é a criança negra que se aceita linda, assim como qualquer outra criança branca e repreende o adulto preconceituoso que fala mal do cabelo dela;

5. Movimento Negro é a roda de pagode da família negra em casa, na casa do vizinho ou nos palcos da vida, aquele pagode que leva a musicalidade negra por onde passa;

6. Movimento Negro é a rainha ou passista negra da escola de samba que se orgulha de ser negra, de assumir o cabelo crespo, as tranças, mesmo que a sociedade e a mídia racista imponha a ela o processo de embranquecimento para ser bonita;

7. Movimento Negro é a jovem negra e o jovem negro que, com tantas forças contrárias, enfrentam a sociedade, se permitem se entender e se aceitar como negra e lésbica, negro e gay, travesti negra, trans negra(o), assumindo gênero e orientação sexual, mesmo que, principalmente, a heteronormatividade hipersexualize seus corpos, pois infelizmente serão cobrados como a “mulata boazuda” e o “nêgo do pau grande” — “a serviço do sexo oposto” — . Assim, existir-se negra (o), especialmente quando não se é hétero e cis, é resistir muitas vezes;

8. Movimento Negro é ser negro ou branco e entender que o negro reproduz muitas vezes o comportamento racista, pois aprende que ele não é gente desde que nasce, que a sua cor não presta, seu cabelo é ruim e que desconstruir isso é muito difícil. Mas é possível através da busca da identidade negra e construção da auto-estima com base na negritude;

9. Movimento Negro é o tio, o amigo e o avô negro que passa os ensinamentos sobre cavaco, pandeiro e o surdo para o menino negro ou para a menina negra que também carregará consigo o orgulho de ter aprendido a arte do samba e do pagode com os homens negros mais velhos e sábios (os griôs);

10. Movimento Negro é o Movimento Negro Unificado (MNU), é o Quilombo dos Palmares, a Revolta dos Malês, é a Revolta da Chibata, é o Bloco Cultural Negro Ylê Aiyê, é a Imprensa Negra, é a Frente Negra Brasileira (FNB), é o Teatro Experimental do Negro (TEN), é o Instituto de Pesquisa e Cultura Negra (IPCN), é o Geledés — Instituto da Mulher Negra, é aMarcha Nacional Contra o Genocídio do Povo Negro, são os Clubes Sociais Negros, são as Meninas Black Power, são todas as Blogueiras Negras. São as grandes e pequenas Escolas de Samba, são os Coletivos de Estudantes Negros e Negras Cotistas das universidades públicas do Brasil.

Movimento Negro são Negros e Negras em Movimento!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.