Corrupção nossa de cada dia

É carnaval mais uma vez! Momento de trocar a vida mundana pela fantasia dos quatro dias de folia!

Não gosto dessa ideia de carnaval glamourizado, cheios de camarotes com gente pagando calcinha ou pagando sem calcinha, da desculpa da permissividade pois é tempo de folia, de alegria, e de fingir que nada aconteceu depois.

Dos patrocínios homéricos, visando uma segunda, terceira, quarta e quem realmente sabe quantas intenções? É tempo de sacanear, passar a pica na cara de todo mundo e de todo mundo ser feliz com isso!

Eu acho que o carnaval é o simbolismo profundo da alma do brasileiro, pelo menos dos noventa e oito porcento que vive de jeitinho em jeitinho. E olha que estou sendo otimista deixando dois por cento fora desse limbo!

Faz tempo que o povo anda em um big brother político, é grupinho de um lado exaltando fulaninho, outro grupinho exaltando beltraninho, um posta o podre do outro, todos jogam a bela bosta no ventilador, todos estão rebosteados dos pés à cabeça e mesmo assim o ciclo todo se repete; E não há nada tão bom assim para ser exaltado e é tanta fofoca que não dá mais para acreditar em quem fez o que! Mas no fundo parece que todos estão “malufando”: eu posso ser um bosta, ferrei com a vida de todo mundo, mas ao menos eu trouxe o programa x para nosso país! É o famoso “rouba mas faz!”

Não acredito que exista um governo (independente de qual) que possa ter ferrado por completo com tudo, uns tem mais escândalos que outros, o que não quer dizer que os outros foram infinitamente melhores, talvez tinham os amigos certos para deixar tudo escondido, ou talvez eram um pouco mais espertos, talvez mais comedidos, vai saber…

O fato é que nos deixamos levar pelo brilho e pelas plumas e ficamos rebolando nossas bundas uns na cara dos outros, e tudo continua no mesmo lugar.

Para mim tudo está virado faz tempo, e pelo jeito vai continuar, pois ao invés das pessoas proporem uma discussão dos conceitos e dos porquês de tudo, de se colocarem em um lugar desconfortável e reavaliarem aquilo que querem acreditar e defender, as pessoas preferem se fechar ainda mais, apenas reafirmando uma posição que muitas vezes não condiz com nada do que a pessoa pratica ou acredita, é como se estivessem torcendo pelo seu time de futebol, pelo seu participante preferido do reality show, pela sua escola de samba!

É puro sentimento, é paixão! Algo que parece ser pelo puro prazer de ganhar e não de pensar! Não sou melhor que ninguém, mas nas últimas eleições tenho anulado meu voto, é a mesma coisa que escolher investir em um relacionamento em que você tenha que escolher entre duas criaturas galinha, se você não é adepto ao poliamor, não adianta escolher ficar com o que galinha escondido só porque é menos pior, simplesmente não será o relacionamento certo.

Tenho dificuldades em entender essa necessidade em morrer abraçado a uma escolha mesmo depois que ela deixou transparecer uma cartela de cores que você nem sabia que existia e da qual você não gostou nem um pouquinho, sempre existe a opção em que você poderia simplesmente deixar a escolha se espatifar no chão e repensar a coisa toda.

Não é confortável acreditar em algo e muito menos deixar de acreditar, mas é tão mais triste se conformar com a mediocridade. Na questão política ainda não vi um governo que realmente fez o país avançar, prosperar, crescer. Continuamos sendo o remendo de algo bem mais ou menos, Somos um país praticamente autossuficiente em inúmeras fontes, temos uma população incrivelmente criativa, muitos recursos, que se aplicados nos lugares certos ao invés de desviados ou de virarem auxílio moradia para políticos, poderiam transformar muita coisa; mas ainda temos a mentalidade de um adolescente com baixa auto estima em forma de país, de nação, de pensamento comum.


Originally published at compendiodecoisa.blogspot.com.br on February 17, 2016.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Geórgia Ploharski’s story.