A opinião de um catarinense sobre o dito “Vale europeu” mostrado no Globo Repórter.

Sou nascido e criado em Santa Catarina, estado do qual me sinto realmente parte. Não nasci nem moro no chamado Vale europeu, apesar de estar há menos de duas horas da região. Tenho orgulho e gosto muito da cidade e da região onde nasci, moro, trabalho e estudo; mas é claro que, assim como em qualquer lugar do Brasil, aqui há muitos problemas. Problemas que todos os meus conterrâneos conhecem, e que não diferem muito de outras regiões brasileiras.

No dia 19/02/2016, o programa Globo Repórter, da Rede Globo, iniciou uma nova temporada, e sua primeira reportagem foi no chamado Vale europeu, que abrange 50 cidades no centro-leste catarinense, tendo como a principal cidade Blumenau, por ser a mais populosa e economicamente mais forte da região.

Pois bem, assisti a reportagem duas vezes, em dias diferentes, por conta da curiosidade que me acometeu acerca de dezenas de compartilhamentos e elogios em redes sociais. A reportagem é muito bonita, com o padrão de qualidade da Rede Globo, porém mostra somente uma pequena parte de algumas cidades da região. Não vou aqui me aprofundar em números, até porque não tenho conhecimento dos mesmos, mas tenho alguns amigos e conhecidos que vivem em algumas das cidades da região, e na opinião dos moradores, a reportagem omite ou manipula várias informações.

Uma rápida busca no Google mostra que a situação do desemprego não é exatamente como mostrada na reportagem, a despeito da reportagem mencionar várias vezes que não faltam empregos. Está certo que Santa Catarina tem uma das menores taxas de desemprego do Brasil, mas daí a dizer que não faltam empregos é um exagero. Várias indústrias da região vêm enfrentando dificuldades nos últimos meses, assim como o comércio. Em contrapartida, alguns setores têm apresentado resultados muito positivos, como é o caso do turismo (muito por conta dos investimentos privados, que reforçam as belezas naturais). Porém não há como concordar com um dos locais entrevistados, ao dizer que ‘se melhorar, estraga’.

A região é, como visto na reportagem, de uma beleza exuberante, porém não tão bem cuidada como dito no programa. Perceberam como as estradas que ligam as cidades praticamente não apareceram na reportagem, assim como as partes mais habitadas das cidades mostradas? Entendo que o Globo Repórter tem o foco em outros aspectos, mas não podemos deixar que isso passe uma imagem tendenciosa da região.

Nos já citados comentários em redes sociais, vi muitas pessoas de outras regiões desejando morar nas localidades mostradas, muitos catarinenses orgulhosos de sua terra sendo tão bem mostrada em rede nacional, assim como diversos comentários quase que xenofóbicos, dizendo que ‘aqui as coisas funcionam por que todos trabalham, ninguém é preguiçoso’ (lembrando que a região recebeu a alcunha de Vale europeu também por conta da colonização que recebeu há pouco mais de um século, e boa parte da população mantém alguns costumes, além dos sobrenomes). Ora, quem vive aqui sabe que não é isso que acontece, e temos problemas de educação, saúde, política, pobreza, desemprego, segurança e transporte como em qualquer parte do Brasil, porém com maior ou menor grau, dependendo da região que estivermos comparando.

A região é muito linda para visitar, boa para viver, mas não podemos deixar de lado os problemas em geral; seria o mesmo que mostrar para estrangeiros uma reportagem somente com os pontos turísticos do Rio de Janeiro, enquanto todos os brasileiros sabem dos problemas que fazem parte do cotidiano da cidade maravilhosa. Gostaria que o slogan repetido na chamada da reportagem “O Brasil que deu certo” fosse realmente verdadeiro, mas para mim pareceu mais uma propaganda para a região.