This story is unavailable.

Oi Cristiano, obrigada por comentar e complementar com seu ponto de vista.

Também não acho que o título é 100% assertivo, é apenas um titulo para delimitar o contexto e apresentar um ponto de vista. Você pegou a idéia quando disse: “Todas as religiões, culturas e notícias viram, na internet, assuntos de duas ou três linhas, quando não uma foto que “ilustra” toda uma história ou ensinamento”.

Acho que preferi usar o ocidente mais como um processo, uma coisa mais abrangente e uma dinamica histórica, um processo cultural, do que uma região geografica do globo. Dentro deste conceito a internet, no meu ponto de vista, faz parte desta “culpa”. Mas para mim a internet não é a culpa, ela é apenas um acelerador. Me explico: antes da internet como é hoje, já criticávamos a “cultura do power point”. Todos temas complexos viam topicos que resume a idéia toda, mas nunca aprofundamos no desenvolvimento das idéias - slides coloridos, poucas palavras e nada de entediar o ouvinte. Antes de inundar a internet de budhas, já se vendia muita camiseta do che Guevara e outros lideres como identidade visual. Vestir algo, curtir algo sempre representou muita na identidade individual. Pensar nem sempre.

Quando eu escrevi ocidente para falar de budismo, eu quis pegar um grupo pessoas com determinados traços culturais que tem um distanciamento do budismo, como estou falando do budismo, já que budismo não é a vivencia da maioria dos ocidentais, a interação é feita de forma não natural e passa a ser um produto consumido - agora estou falando do ocidente como “Pai” da cultura capitalista e do marketing pessoal.. então se enquadra, como mencionado por vc “Tudo, praticamente tudo passa ou já passou por isso”.

E porque tudo passa ou já passou por isso? será um efeito da mercantilização das coisas, da cultura? Será por conta da velocidade e superficialidade da internet? Será pela necessidade do ser humano de auto afirmar em coisas maiores, como deuses, religioes e prédios e marcas? Precisamos de rotulos para nos sentirmos seguros? Precisamos da credibilidade milenar para dar opiniões? Porque culpamos a internet, quando na verdade ela é uma tecnologia que só reproduz o que as pessoas já fazem/pensam/sentem?

Enfim, este texto analisa coisas sintomáticas, não a causa… Mas vale sua reflexão para descobrir “a culpa”, ou a raiz. :)

Show your support

Clapping shows how much you appreciated GG’s story.