ACABE COMIGO

Você disse que as escolhas resultam em consequências, e eu deveria aceitar. Você disse que estava apaixonada, e esse novo amor aconteceu por acaso, talvez rápido demais, mas com certeza era verdadeiro, e eu deveria aceitar. Você, nervosa, procurou me afastar de qualquer forma. Sem diálogo, sem respeito, enumerando ofensas que agora eu sou incapaz de lembrar. Talvez por não concordar, talvez por entender que tratava-se de apenas um momento complicado, um desequilíbrio, talvez por não acreditar que eu deveria aceitar.

A memória é fraca para o que não acredita, mas ela não esquece o que sabe ser verdade. E entre tantas ofensas, você finalmente conseguiu me convencer a aceitar o fim. Você foi sincera, cirúrgica e insensível, você se tornou o que era preciso ser para efetivamente acabar comigo, e conseguiu, parabéns.

Foi engraçado observar a sua foto ao lado dele, sorrindo, apaixonada e sem dúvida alguma feliz. Eu por outro lado sobrevivi. O amor quando menosprezado é capaz de matar, mas existem infinitas possibilidades contrárias ao sofrer, basta escolher, basta continuar e renascer. Aprendi a caminhar sobre a dor de todas as suas ofensas, sobre algumas dezenas de dúvidas, procurando entender se realmente ao “acaso” a substituição pode ser tão agressiva e eficaz, ou talvez a acidez é uma particularidade sua, suja e oculta entre curvas e sorrisos ensaiados.

Eu aceitei o que era preciso e recomecei por procurar tudo o que havia perdido. Decidi que nós, nunca mais. Decidi que havia mais por ser feliz, e que a felicidade que hoje faz por merecer, assim como eu, também te encontre.

Eu não entendo o seu amar. O seu novo amor acabou, assim como o nosso. O seu novo amor sequer prosperou o suficiente para se tornar uma história, acabou por ser um mísero parágrafo, perdido e esquecido em uma crônica qualquer. Triste.

E quando nós já havíamos nos tornado nunca mais, você decidiu me procurar. Seja o que for, eu continuo sem entender. Eu não consigo ser tão eficaz quanto você, eu não consigo gratuitamente te ofender, mas eu prometo que você jamais irá se aproximar do que um dia já foi um lar. Quando você decidiu acabar comigo, eu aceitei, portanto não insista em tentar reaver o que está perdido, a ironia da vida por fim é um acaso imprevisível.

Like what you read? Give Thiago M. Ghilardi a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.