AOS FILHOS DE LULA

Não é o começo do fim, mas talvez seja um novo começo sim. E não será um depoimento, obviamente, capaz de apagar toda uma história, mas talvez agora a história seja por fim muito bem esclarecida.

Lula fez muito, sem dúvida, mas afirmar que realmente sabemos TUDO o que ele fez é estupidez, e se fez o certo ou errado ainda é prematuro afirmar, pois a incerteza que temos agora é definitivamente uma linha muito obscura para se cruzar.

Lula não dançou, mas está dançando. Dilma não morreu na praia, mas está com dificuldades em alto mar. E eu não acredito que a partir da manhã de hoje o seu governo se desmanchar no ar, em uma simples questão de tempo. Mas sem dúvida alguma aos livros de história resta a reserva de um capítulo final, esclarecedor, ilustrado por manchetes policiais e tragédias shakespearianas.

Na rede social o espetáculo assusta. Opressores de ambos os lados procuram por dividir o mundo em dois. E seja para qual lado optar, esteja pronto para um embate inevitável e mortal, pois assim alguém decretou que precisa ser. Quem eu não sei.

Apesar de dedicarem toda a sua fé ao Alcorão e a regência da Sharia, o código de leis do islamismo, sunitas e xiitas divergem em interpretação, acabando por decidir que o correto cabe a quem sobreviver. O conflito é mortal, impiedoso e irracional.

Hoje desejamos o melhor ao país, talvez quem sabe ao menos uma posição menos vergonhosa em questões relacionadas aos índices de desenvolvimento humano, economia e gestão pública, mas por uma divergência partidária acabamos por nos posicionar em posição de ataque.

Vamos portanto esclarecer algo básico agora, muito básico por sinal. Você pode não concordar com a gestão Lula, com a pessoa pública Lula e/ou o partido de Lula, assim como pode discordar da gestão Aécio, com a pessoa pública Bolsonaro e/ou o partido de Michel Temer, de fato não importa a bandeira, você realmente tem esse direito.

Mas atenção e muito cuidado, pois o seu direito — acredite — é limitado.

Você pode concordar ou discordar de qualquer figura ou partido citado ou não, mas você — por exemplo — não deve tomar um idealismo como ultra pessoal, ao extremo de transformá-lo em justificativa cega para atacar contrários.

O repeito é (ou deveria ser) humano e mútuo.

Você pode discordar e protestar contra o PT, mas não deve agredir alguém por escolher acreditar no PT. Agredir, humilhar, ridicularizar ou qualquer outro ato violência imaginável. Até porque independente de qualquer diferença, nos devemos mútuo respeito.

Você pode discordar e protestar contra o PSDB, mas não deve agredir alguém por acreditar no PSDB. Agredir, humilhar, ridicularizar ou qualquer ato violência imaginável. Até porque independente de qualquer diferença, nos devemos mútuo respeito.

No fim uma verdade é clara, a humanidade acaba no exato momento que perdemos o mútuo respeito. Fato.

É ridículo a quantidade de repetições necessárias para se colocar como apartidário, enfim.

Retornando ao acontecimento. Não será um depoimento o início do fim, mas talvez um começo. Não será também a extinção de toda a sua história, mas talvez o seu completo esclarecimento. A minha fé está voltada ao momento em que vivemos, a ação investigativa e a devida justa punição.

Se comprovado, então que seja preso, TODOS! Se comprovado, então que seja impeachment! Que seja um novo começo, se necessário, mas que não seja uma guerra civil.

Artigo publicado em 04/03/2016.

Like what you read? Give Thiago M. Ghilardi a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.