DE FRENTE COM ROMERO — THE BLOOD IS SEDUCTIVE

Esse texto foi escrito numa colaboração desconexa entre Giovani Groff e Francisco Hein.


Francisco

Embarquei do Rio de Janeiro em direção a Porto Alegre com apenas um objetivo: Curtir o Meca Festival. Cheguei às 11h, liguei o celular e vi uma mensagem do Giovani: “Me traz uma Void que o mito vai autografar”. Na hora, pensei: “Ele está falando do nosso querido Romero”. Um mês antes, descobri que a nossa amiga Carol Perrone tinha uma ligação com o artista. Por obrigação moral, mas sem tanta esperança, falei que a Void queria fazer uma entrevista com ele. Admito que nem esperava que isso fosse acontecer. Menos ainda que tão rapidamente. Na espera pela bagagem, a Carol enviou uma mensagem para mim e para o Giovani: “Ele pilhou de conversar com vocês. Conseguem chegar aqui no escritório pelas 14h?”. Caceta, pensei. O Giovani sabia que o Romero tinha chegado na cidade, mas não tinha ideia que iríamos nos encontrar com ele. Não hesitamos: “As duas estaremos aí”. Os momentos que precederam o encontro foram eletrizantes e angustiantes. Fui até a minha casa buscar uma Polaroid (não poderíamos chegar com uma máquina digital, sabe néééé?) enquanto o Giovani pulava no Trensurb para chegar em Porto Alegre. “O que vamos perguntar pra ele?” “Põe uma camisa colorida para agradar o Romerinho” “Vou tirar várias fotos com ele” e assim por diante. Estávamos mais ansiosos do que nervosos, pois nossa intuição não iria falhar. O Romero tinha tudo pra ser muito gente boa.

Giovani

Cheguei um pouco antes do Kiko ao local combinado e fiquei ali, neuvosour, pererequiando de um lado para o outro, a perna tremia, acho que não ficava assim desde uma decisão de campeonato interséries no saudoso colégio Miguel Lampert, campeonato que nunca ganhei. O amigo Achutti passou por ali, falei com ele, não pude conter a euforia do momento que estava vivendo, se eu já falo meio rápido demais e me atrapalho com as palavras, imagina quando o próprio corpo produz anfetamina ou outra ina qualquer que faz com que tu te sinta~~pulando que nem pipoca~~ atrás do trio do Araketu. Ele foi compreensivo e me desejou sorte. Chegou o Kiko, um tanto quanto esbaforido e tão perplecto quanto eu. Falamos sobre as perguntas, não tínhamos um roteiro. Ligamos para o Deco, um amigo tão demente quanto a gente e também um grande admirador do Romero. Ele pirou e deu umas mil ideias de perguntas, como seria um animal do Romero, o céu do Romero, quem ele pintaria o corpo de Romero, como seria um chester de Natal do Romero e assim por diante. Tamanha euforia nos acalmou. Chegou a Carol e adentramos no prédio. Topamos com ele, Romerinho, na saída do elevador, vestia uma polo amarela, uma calça jeans bem normal e um belo chapéu cor de creme. De cara, ele já abriu um sorriso largo e elogiou, juntamente com a sua agente — que é casada com um KENNEDY legítimo CHORA BUSH (NS) — as estampas de nossas camisas (Pyramid e QR Shirts, JABÁ), os flamingos e tucanos fizeram um bom meio campo e deixaram uma bela primeira impressão. Adentramos ao escritório, que se mostrou ser uma MECA DO BRITTO, com quadros, esculturas e objetos por toda a parte. Como dizem os entendidos, um belo composé, estávamos diante do cenário perfeito para a entrevista/sessão de fotos com a Polaroid cherosona do Kiko.

Francisco

A simpática mãe da Carol, também conhecida como Luisa, nos convidou para sentar numa sala reservada. Romero pediu licença para ir ao toalete e ficamos na sua espera. Naquele momento, imaginei como seria um banheiro todo desenhado pelo Romero. Só que foi rápido e tive que abandonar o pensamento; acho que nosso herói não precisou nem usar o Bom Ar edição especial Romero. Ele sentou numa cadeira posicionada na lateral da mesa e nos lançou um sorriso alegre e tímido. Olhei para o Giovani e ele estava focado no seu caderninho, sem condições de falar nada. Comecei com perguntas clichês e que, na verdade, serviram para entendermos a personalidade do Romero. Perguntei sobre as severas críticas que ele recebe do campo artístico e se isso gera algum incômodo para ele. Já nessa resposta, Romero nos ganhou. Sem pompa, sem rodeios, sem prolixidade e, muito menos, explicações contra os haters. Ele simplesmente disse que a arte está nos olhos de quem vê. Simples assim. Obviamente, ele não é um cara que deseja criar polêmicas a toa. Imagino que, sim, as críticas o incomodam de vez em quando, mas sinceramente, não lhe tiram o sono. Continuamos a conversa, entre respostas em português e inglês, sim, Romerinho mora há tanto tempo nos Estados Unidos que confunde palavras. E não é por ser poser.…É até engraçado quando ele perde o raciocínio na procura pelas palavras. Logo, partimos para uma abordagem mais inusitada. Perguntamos quem ele gostaria de ressuscitar. Vieram duas respostas. Para presentear com uma obra sua, o Rei do Pop, Michael Jackson, seu cantor preferido e presença garantida em qualquer playlist sua. Disse que é capaz de deixar o mesmo CD no carro uns seis meses e não enjoar. Me identifiquei. Outro camarada que ele gostaria de ressuscitar, mas esse para trabalhar em conjunto, é o Michelangelo. Aí a bola picou e o questionamos sobre uma reprodução Romeriana Britto da Capela Sistina. Muita cor, muito muito colorida. Empolgado com essa vibe sacra, nos revelou que ainda esse ano sair uma versão ROMERIANA da Santa Ceia. Caraca Véi, é muita ansiedade. Vai lá, Giovani.

Giovani

Com essa imagem, ou melhor, com esse teto coloridaço irrigando a nossa imaginação, partimos pras perguntas ainda mais ~~fora da caixa~~ risos. Questionamos como seria um país criado por ele, cujo nome seria PAÍS FELIZ, eu acharia bem mais afudê se fosse BRITTOLAND, mas tudo bem, o território imaginário é dele. Esse Butão Romeriano seria liderado por uma dupla incontestável: Madre Teresa de Calcutá & Martin Luther King, que dariam expediente não na Casa Branca e sim na Casa Amarela, pressuponho que essa seja a cor preferida do Romerinho, convenhamos, Casa Amarela seria muito afudê. A playlist desse belo punhado de terra seria embalada pelos Beatles — imaginei a Lucy num céu do Romero whit diamonds, que brisa bem boa que seria, não? — outro nome que estaria presente na lista, é o do já citado Michael Jackson, que faz muito sentido, pois além de Romero ser admirador e amigo do mesmo, visitou o rancho de Neverland algumas vezes, esse dia deve ter sido bem massa. Quando indagamos em quem ele gostaria de fazer uma pintura corporal globeleza romeriana, a resposta veio de maneira rápida e certeira, Gisele ubertopomthfckingprezabillity Bundchen e também uma até então desconhecida Natalia Vodianova, uma modelo russa, enfim, busquem esse nome no Google e sejam felizes. Britto se mostrou um sujeito bastante festeiro, isso ficou mais evidente quando revelou que um dos seus sonhos é ter uma casa na Inglaterra, para receber os amigos e fazer umas festinhas. Ele tem outros sonhos, mas daí é o Kiko que vai revelar. Falaaa seu Kikooooooo.

Francisco

Pena que o Romero não sabia que um dos nossos sonhos estava sendo realizado naquele momento. Antes de falar dos outros desejos do Romerinho, vale destacar que também perguntamos quem ele não gostaria de pintar o corpo. Ele ficou bem encabulado, mas depois de alguma insistência e risadas, cravou: A Coco Chanel. Mas com uma ressalva: na época da Segunda Guerra. Sim, o Romero sabe diferenciar o mito por trás da pessoa. Fica a dica. Bem, o tempo dele em Porto Alegre estava acabando e ainda precisava acertar detalhes com alguns fornecedores. Foram apenas oito horas na nossa capital. E nós não queríamos atrapalhar a fera, afinal, ele estava indo passar o final de semana na Ilha de Caras. Obviamente, ele nos convidou para ir junto. Muito educado… Enfim, inspirados no nosso amigo Romeu, também conhecido como Ricardo Dullius, perguntamos sobre os sonhos dele. Estamos acostumados a ouvir “paz mundial”, “mais água em São Paulo” e por aí vai. Não que isso não seja importante, muito menos, que o Romero não seja um cara preocupado com o bem estar dos outros, mas ele captou bem a nossa proposta e emendou dizendo que ele tinha milhares de sonhos. Iniciou com as casas em Londres, Pequim e mais algumas capitais mundiais badaladas. Romero é bem festeiro, não recusa um bom drink e aprendeu a se controlar pra não cair na gandaia toda hora. Insistimos para ele nos contar mais alguns e ele disse que nos contaria quando fôssemos visitar ele em Miami. Adiantou apenas que são sonhos bem picantes. Uh-lá-lá. As mina pira. Depois dessa tempestade de vibe e ensinamentos, fomos tirar algumas fotos com ele. Cagamos todas fotos de Polaroid, saíram apenas borrões, mas isso se mostrou válido porque surgiu a ideia de fazer as molduras das fotos com a arte do Romero. Queremos royalties pela ideia, viu Dona Kennedy? A solução foi usar o celular mesmo. Sempre solícito, posou alegremente comigo, com o Giovani, comigo, com o Giovani, comigo, com o Giovani, umas mil vezes. Numa das fotos, lancei um shaka (Hang Loose) e ele ficou encantado com aquele gesto. Me perguntou o que significava: Boas Vibrações, eu disse. Ele falou que vai fazer um quadro com o símbolo. Acharia de muito bom grado um SHAKA GIGANTE ROMERIANO na entrada do Havaí para dar boa sorte aos destemidos surfistas. Não consigo terminar isso aqui tamanha a emoção com esse dia. Fecha a conta, Giovani.

Giovani

Aproveitamos a empolgação com a descoberta do SHAKA, que vocês podem conferir no Instagram dele (não resistimos e você pode ver ela no final desse texto), para barganhar, quem sabe uma futura capa da Void. Fomos além, entregamos uma câmera descartável para ele registrar o findi na Ilha de Caras, ele prometeu se esmerar nas fotos e também mandar outras imagens inéditas. Foi nesse clima de mesa de bar que passamos uma bela tarde ao lado de um dos maiores business man da arte, que manja muito do riscado, é competente pra caralho no que faz e tem planos ambiciosos e grandiosos. O Romero pessoa, digamos assim, é um cara gente buena pra caralho, bom de papo, sorriso fácil e super compreensivo e justo.



Gracias Romero, tu é foda.

Agradecimento muito especial a família Perrone, responsável por nos proporcionar esse momento único.

Texto publicado na Revista Void www.avoid.com.br

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.