Não tenha medo de mudanças.

O mundo está em constante mudança, os seres humanos também, mas às vezes parece que nosso cérebro não gosta muito de mudanças, fato.

Ouvimos dizer que as mudanças trazem certa áurea nova às nossas vidas, que mudam nossos pensamentos, sentimentos e experiencias, mas na prática acabamos temendo mudanças. Tememos o medo de ir ao medico, de mudar de casa, de ir à escola, ir para a faculdade, de mudar de emprego… Ah! O emprego!

Já mudei de emprego 17 vezes desde que cheguei em aqui na cidade de São Paulo, e mudei de área 7 vezes.

Já trabalhei de muitas coisas, e posso dividir essas mudanças profissionais em 3 fases:

Na primeira, trabalhei em um lava rápido, mas foi só por um dia, atuei como pacoteiro no mercado Docelar em Ermelino Matarazzo por quinze dias, depois virei balconista em uma casa do norte na Penha, la fiquei um ano e meio até 06/2008 cortando carne seca, servindo farinha e grãos aos clientes. Durante este período fiz um curso de informática na Eurodata que me permitiu ir para a segunda fase.

Na segunda fase, eu já sabia Windows XP e Office 2003 e consegui um emprego de negociador em uma empresa de telecobrança, lá fiquei por 3 anos e meio e pude pagar um curso de Técnico em Web no SENAC. Fiquei na cobrança bastante tempo 2008 a 2013, e não entrei na área web tão fácil.

Na terceira fase, já estava cansado do telemarketing e em 2013 pude entrar na área web como estagiário, os desafios eram grandes, atuar como web designer, desenvolvedor front end, analista de SEO, designer grafico e ilustrador…

Hoje em 2016, continuo na área de criação e desenvolvendo web, mas como nesse meio tempo (em que atuei como web designer) concluí minha Licenciatura em Artes Visuais na FMU, comecei a dar aulas de artes para criancas de 1°, 2° e 3° ano na Prefeitura de Suzano - SP, resultado da aprovação em um concurso que prestei em 2015 quando ainda era aluno do 5° semestre de Artes Visuais.

Esta terceira fase, sempre foi o meu objetivo desde que eu era criança: trabalhar com arte. E, em 2006 quando recebi o convite para sair de Santa Cruz Cabrália na Bahia para vir pra cá, já imaginava que não seria fácil, mas que eu conseguiria de um modo ou de outro realizar meu sonho de trabalhar com arte.

Bom, realizei boa parte dele aos 27 anos e tenhi outros planos como artista, designer e professor, mas sei que nem sempre os planos são como desenhamos no papel ou no Excel.

Por isso, me adptarei a quaisquer adversidades e desafios que a vida por ventura cisme em colocar em meu caminho, com fé, objetivo, persistência, apoio da família e amigos podemos realizar tudo o que desejarmos em nossa mente.

Com essa atitude pude aprender arte, desenhar, lecionar, negociar, aprendi sobre comunicação e comportamento humano, falar ingles, tocar bateria, ser uma pessoa melhor pras outras pessoas, ou seja, aprender a viver bem comigo, e com quem me relaciono.

Continue caminhando, continue mudando, sem isso a vida é insossa e cinza.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.