Se eu dormisse, com certeza, sonhar seria bem melhor.

É demasiadamente difícil manter os pés firmes ao chão em tempos de crise. Crise interna. Crise existencial. Crise de não-sei-o-que-tô-fazendo-da-vida. O cansaço te atinge sem pudor nenhum, as mágoas passadas parecem recentes, as pessoas, o ambiente, tudo a sua volta se reduz a simples borrões e, não que a sua vontade seja essa, mas, a melancolia e os contratempos criam toda essa cena forçando-lhe a sentir-se só mesmo em meio uma multidão. Não sei muito bem caracterizar, as palavras me fogem as mãos, todavia, minha capacidade limita-se a designar uma palavra-chave: angústia.

Minha mente é um tanto criativa, proporcionalmente, é também uma arma. Sim, é um perigo a mim mesma; com todos os pensamentos ruins e as ideias igualmente insanas, me sinto com o dedo no gatilho quase o tempo todo. Me sinto na pontinha de um abismo todos os dias que levanto da cama e olho para baixo, enxergo a escuridão, dou-me conta da altura que beira a infinitude e, então, jogo-me neste. Meu corpo lânguido despenca abismo abaixo numa profundidade terrificante; assim permaneço o resto do dia, caindo, caindo e caindo no meu abismo sem fim. Mas não permito ser salva, pois quem se arrisca a tal ato se dispõe a cair junto, e eu não desejaria isso para as pessoas que gosto. Pensando bem, eu não desejaria isso para ninguém.

Eu sou uma mentira que, de tão boa, tornou-se real. Todos os meus sorrisinhos, todas as minhas faltas de modo, o jeito pueril; tudo isso é muito real. E por que devo ficar triste? A vida é linda! E tristeza é mimimi, coisa de quem "reclama de barriga cheia", porque, certamente, estou isenta de qualquer problema. Sou uma garota chata que não tem o que fazer, que não tem problemas, que tem a vida boa, que é completamente sã... Até quando devo enganar os outros se já não engano a mim mesma? Porque minhas noites são uma decadência. Porque tenho problemas para dormir e ansiedade desmedida. Porque choro(quase todos os dias) em resposta a minha realidade. Porque as madrugadas são terríveis. Porque sou cheia de receios. Porque sou pilhada. Porque sou eu.