causo

sua mão 
a posse que tens
ao abrir
meias-tardes-de-uma-semana-cheia

abrange

grande parte do meu peito
que sufoca 
e guarda 
e responde 
com gosto.

o céu da nossa boca 
é brilhante.

o seu, 
o céu.

e sinto que, 
a cada toque,
a cada ponto, 
a cada pelo.
um apelo diferente nos torna 
um mero 
abraço,
numa esquina entre os livros 
e o adeus.

entre, 
leia-me.

uma boa leitura não se julga pela capa, 
já que não me conheces, 
apenas viu uma sinopse,
uma parte, 
uma orelha de livres lentes.

enquanto a chuva 
arremessa sua frieza para mim, 
suas mãos, 
as mesmas ali do começo,
me guardam. 
aquecem.

o mel.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.