Pitacos III

o vício de falar da vida alheia

Inércia

Não podemos cobrar movimentos ousados de quem segue movimentos aprisionados. Não importa o que aconteça, essa gente tende ao mesmo repetitivo e cíclico movimento. Chamam isso de buscar sua essência, mas não passa de um autoconhecimento motivacional falho. Mude o mundo deixando o mundo te mudar.


Capetalismo

Desde quando me falaram Capetalismo e estudando mais e querendo entender melhor essa formação social, eu nunca mais consegui ler Capetalismo como Capetalismo — sua forma verdadeira.


Fingimento

Para quem finge que se importa, que cuida ou qualquer outra coisa só para livrar-se do peso da consciência em relação a “falta de empatia”, eu finjo que sou cuidado, que tô bem e animado — é bom ser laxante moral.


Profetas são egoístas

Quando falo de profetas falo das pessoas que se retiram dá onde estão. O profeta não concorda com aquilo, como um todo ou com uma parte — na verdade, a menor das partes divergentes já é motivo de isolamento frente a isso. Profetas entenderam que a alma se movimenta, portanto, pessoas, instituições e organizações que são cativeiros para ela, são seus objetos de repulsa. Os profetas são o exemplo do amor próprio, valorizam a si mesmo contra tudo e todos que impedem de ser quem são. Para esses, os profetas não passam de egoístas — e essa é a cruz de quem se isola.


Sal da terra e luz do mundo

A identidade que Cristo brota em nosso coração é esta: vocês são sal da terra e luz do mundo. Assim como na culinária, é preciso saber o que se está cozinhando, para saber o quanto de sal colocar. Preparar batatas utiliza uma quantidade de sal diferente do preparo de um bacalhau. Assim como na construção, é preciso saber o que se está iluminando, para saber o quanto de luz colocar. Um quarto com claridade excessiva não é descanso para os olhos, assim como um escritório mal iluminado dificulta o trabalho de quem ali está. É preciso saber que mundo, que terra, estamos salgando e iluminando. O fim último é Deus e o seu Reino de justiça plena; todavia, o ponto de partida é olhar para os porquês da exclusão, opressão e injustiça.


Demorado

O foda de qualquer vício é que nunca é uma coisa de uma semana. Essa é a parte três de uma coletânea e tô escrevendo-a a três meses.


Pior de tudo

Nessa merda de demora é a vontade de não fazer nada. Meu Deus do céu. Geralmente minha vida era clicar na tela para pular o Instagram Stories da pessoa, agora eu arrasto para pular a pessoa já. Desinteresse de tudo, muitas palavras mal vazias e sem ligações afetivas.


Gratidão

Hoje eu ouvi no Jornal Nacional que a palavra mais falada nas redes sociais em 2017. Ou nós verdadeiramente entendemos o lance de ser grato pela vida e todo a cartilha do autoconhecimento que os amantes de óleo de côco recitam como mantra ou nós somos um bando de exibicionistas, somos gratos pelo carro novo, pela viagem pra Europa, pelo 10 na faculdade e gostamos de mostrar isso. Em ambos os casos, somos extremamente hipócritas — gratidão se tornou mais uma palavra florida. Gratidão pela hipocrisia.


Natal

O coro da igreja é o mesmo que canta a música de fim de ano da Globo. A chegada do Messias que alegra o mundo é repetida quando no comercial de Coca-Cola alguém abre uma garrafa. O capitalismo é a religião do mundo.


No capitalismo o vento não sopra

“O capitalismo é o primeiro modo de produção a assegurar um crescimento regular de produtividade, que não deixa de enfrentar crises, mas que se mantém contínuo a longo prazo. (Marcos Nobre em A dialética negativa de Theodor W. Adorno, p. 35)

em contradição com o vento, espírito, vida em abundância o renascido. Porque

O vento sopra onde quer, e ouve-se o barulho que ele faz, mas não se sabe de onde ele vem, nem para onde vai. A mesma coisa acontece com todos os que nascem do Espírito. (João 3:8)

Rotas

Percebe-se uma excessiva quantidade de “capitalismo” neste texto. É óbvio. Estou mudando minha linha de pesquisa, cujo caminho é uma vertente imersa na crítica do capitalismo. Os passos que damos, os caminhos que percorremos dizem muito sobre nós, afinal, a boca fala do que o coração está cheio.


Chuva e praia

De tudo que eu gosto na chuva, inclusive o que eu não gosto, a melhor coisa sem sombras de dúvidas é quando chove na praia. É o melhor motivo para não precisar sujar meus pés de areia e automaticamente espalhar por todo meu corpo. Quem precisa de mar pra se lavar é quem ta cagado, eu fico em casa mesmo comigo mesmo.


Ano Novo

Incrível como eu não curto virada do ano. O tempo sangra com promessas de renovo, com absurdos sobre o agora e surtos de esquecimento do passado. Mudar de jeito de viver não tem data, o momento festivo pode ser um gatilho. O calcanhar de Aquiles deve acompanhá-lo de seu nascimento a sua morte: somos reféns da nossa história. Vem 2018.


Confira Pitacos I e II no meu perfil!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.