Eu sou uma heroína de Jane Austen e você também é!

Hoje faz 200 anos que nos despedimos de Jane Austen. Eu tive o primeiro contato com as obras da autora quando tinha 10 anos. O primeiro livro que li foi “Orgulho e Preconceito”. Não, eu não me encantei com Mr. Darcy, me encantei com Elizabeth Bennet. Afinal, ela era independente, tinha fortes opiniões e não seria humilhada por sua classe ser considerada “inferior”.

Em geral, os autores que nunca caem no esquecimento têm uma forma única de ver o seu tempo e na maioria das vezes estão à frente dele. Austen prova isso quando, coloca mulheres no mesmo patamar de inteligência que os homens em pleno século 19! Diversas vezes, outros personagens acreditam que suas heroínas são impertinentes e atrevidas, mas não pensariam isso se um homem tivesse o mesmo comportamento.

Já ouvi opiniões, desprovidas de embasamento, que seus romances são apenas tramas que tem como desfecho o casamento ideal, mas eles são mais do que isso. Com Austen, você entende como era a elite inglesa do século 19 e como a burguesia, em um contexto geral, — seja inglesa, russa, ou francesa — é parecida. Os livros de Liev Tolstói, Gustave Flaubert e Honoré de Balzac são um parâmetro para essa comparação. Acreditem, Jane Austen mostra uma forma de luta de classes.

Abaixo, agradeço a todas essas personagens, feministas para sua época, pelos ensinamentos proporcionados:

Elizabeth Bennet — seja forte. Tenha opiniões firmes e só se case por amor verdadeiro. Ainda admiro sua coragem de casar com alguém de uma classe muito distinta, acho que não faria isso.

Anne Elliot — deixar de viver o amor da sua vida te tornará uma pessoa amarga. Não faça isso, mas saiba que se fizer com o tempo ele provavelmente retornará.

Emma Woodhouse — sempre é importante reconhecer qualquer tipo de privilégio que você tenha. Às vezes, erramos quando tentamos ajudar demais na vida dos outros.

Marianne Dashwood — fique longe de homens e relacionamentos abusivos. As pessoas realmente adoecem por amor (ela me lembra Catherine de “O Morro dos Ventos Uivantes).

Elinor Dashwood — apesar de todo o amor do mundo, devemos sempre ter bom senso.

Fanny Prince — cuidado com famílias ricas. Nunca permita que pessoas invejosas contaminem seu coração.

Catherine Morland — seja sempre apaixonada por romances e fantasias, isso deixará a vida mais leve. Não se abale pela sua classe social.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.