O lado sombrio do perfeccionismo

Você faz parte do time que acha legal ser perfeccionista? Cuidado! Talvez esteja caindo em uma grande armadilha e nem se de conta disso.

Hoje existe um movimento a favor desta prática. Ser perfeccionista é legal, o perfeccionista faz melhor e tantas outras falas equivocadas que fazem as pessoas acreditar que este comportamento definitivamente é uma dádiva.

Já li em diversos artigos e ouvi até mesmo de alguns gurus da orientação profissional que se em uma entrevista de emprego for perguntado ao candidato sobre um defeito profissional que se tenha, responda sem pensar duas vezes: “Sou muito perfeccionista!”, pois isto é uma forma de aparentar indiretamente preocupação com uma entrega de excelência e alto desempenho.

Caso você escute isso de alguém, ligue o sinal de alerta pois o perfeccionismo a toque de caixa faz com que as pessoas pensem que todo perfeccionista é aquele que realiza o que for preciso de maneira excepcional, mas a verdade é que nem sempre isso acontece pois existe muito perfeccionista travado por aí.

É importante entender que o perfeccionismo, assim como muitos outros comportamentos, também tem seu lado negativo e dependendo do grau de evolução pode ser considerado um transtorno. Por isso, antes de sair falando por aí que é um perfeccionista inveterado, leia este artigo e perceba que talvez você seja alguém orientado para fazer as coisas da melhor forma possível, mas está longe de levar o perfeccionismo à risca, o que de fato é muito bom.

Confira abaixo as principais duvidas acerca do perfeccionismo:

O que é o perfeccionismo?

O perfeccionismo, segundo a psicologia é um distúrbio da ordem das neuroses que leva a pessoa a sentir uma insatisfação constante com seu desempenho e com seus resultados que atinge diversos aspectos da vida. Normalmente são pensamentos recorrentes sobre a realização de algo e sobre a qualidade do trabalho entregue. O perfeccionista é alguém que normalmente se preocupa com detalhes e dificilmente consegue relaxar ao delegar totalmente uma responsabilidade, tendo que conferir constantemente o trabalho e dar seu toque final até que esteja de acordo com o seu padrão de exigência.

Isto pode ser considerado um transtorno se levar prejuízo para a vida da pessoa, vale entender que o perfeccionismo considerado “normal” se é que podemos dizer assim, causa pressão ao individuo, mas não afeta seu pensamento racional, nem seu comportamento ou relacionamento com outras pessoas.

O perfeccionismo pode ser considerado um TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo) ou até mesmo uma doença?

O perfeccionismo pode ser considerado uma doença se trouxer prejuízo no âmbito biopsicossocial para o individuo, ou seja de alguma forma prejudicam essa pessoa em nível biológico, psicológico ou social.

Então neste caso, podemos tratar o perfeccionismo como um Transtorno de Personalidade Obsessivo Compulsiva.

O que é diferente do Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC). Enquanto no TOC a pessoa tem pensamentos fora de seu controle, mas que ela gostaria de evitar, quem tem Transtorno de Personalidade Obsessivo-Compulsiva não percebe que seu padrão de pensamento é problemático. A pessoa acredita que seu perfeccionismo e necessidade de controle são pensamentos certos, e que todas as pessoas estão agindo de forma errada e por causa disso acaba muitas vezes se tornando uma pessoa tirana, insensível e solitária. Podem ser pessoas extremamente bem sucedidas, mas que se sentem vazias, sozinhas e constantemente insatisfeitas.

Existem tipos de perfeccionismo?

Considero que existem dois tipos de perfeccionismo: o perfeccionismo neurótico e o perfeccionismo que leva ao transtorno.

Como dito anteriormente, o perfeccionista neurótico é aquele que pensa demais, que se preocupa demais, mas isto acaba ficando mais no mundo das ideias o que leva a pessoa a assumir todo o trabalho e carregar muito piano nas costas por causa de seu perfeccionismo. É aquele que em um trabalho de faculdade acaba fazendo tudo e colocando o nome dos colegas.

Já o perfeccionismo que leva ao transtorno é aquele que causa prejuízo ou seja, a pessoa se isola, exige demais de si mesma, e em alguns casos trava porque tem medo de fracassar ou ainda torna-se extremamente rude com outras pessoas, isolando-se do convívio social.

Todo perfeccionismo é orientado para resultados?

Nem todo perfeccionismo é efetivamente orientado para resultados, por mais que o perfeccionista acredite e queira que isto aconteça, tudo depende de como a pessoa lida com os desafios que a vida lhe oferece.

Dentro dessa perspectiva, considero que existem dois tipos comportamentos perfeccionistas ( o que é diferente de tipos de perfeccionismo).

Existem pessoas que chamo de Perfeccionistas Obstinados que realmente são orientadas para realização, o comportamento está voltado para ação, buscando meios de fazer o que lhes foi proposto a qualquer custo e de forma excelente, normalmente conseguem o que querem, mesmo que não lhes pareça grande coisa no final das contas, partindo sempre para um novo desafio logo em seguida.

Já o perfeccionista procrastinador é aquele que exige tanto de si mesmo que acaba orientando seu comportamento para a procrastinação pois, acredita que nunca está bom o suficiente, que não tem as qualificações necessárias ou que por medo de pensar no julgamento dos outros, simplesmente trava, procrastina e não consegue realizar tudo o que gostaria. Esse tipo de pessoa sofre muito, não somente pelo alto grau de exigência mas pela falta de resultados e pelo medo do julgamento alheio pois se preocupa demais com sua imagem e com o que os outros vão pensar caso fracasse em sua empreitada. Em suma, é aquele que por medo de falhar, nem tenta.

Quais os pontos positivos e negativos de uma pessoa perfeccionista?

O lado bom de uma pessoa perfeccionista (desde que isso não lhe cause prejuízo) é que ela provavelmente fará uma entrega de excelência pois não aceita menos do que isso, é alguém que alcança resultados quando está voltada para o desempenho e não para a procrastinação.

Já o ponto negativo diz respeito à pressão emocional, desgaste, baixa autoestima, comportamento agressivo, baixa tolerância que pode até mesmo levar a uma depressão.

Como identificar um perfeccionismo exagerado?

O perfeccionismo em exagero, pode ser identificado quando causa prejuízo para a vida da pessoa.

Quando ela não consegue se expor por medo do que os outros vão pensar, quando desenvolve distúrbios (como anorexia ou bulimia) em busca de um corpo perfeito ou ainda quando se afasta do convívio social em detrimento da obstinação pela excelência, são fortes indícios que se trata de uma pessoa com perfeccionismo que lhe causa prejuízo.

Se você perceber que o perfeccionismo te trava de alguma maneira, faz você se afastar das pessoas, ou faz você “não ser você” é hora de ligar o sinal de alerta pois aí pode existir um transtorno de personalidade obsessivo compulsivo.

Perfeccionismo tem tratamento?

Perfeccionismo tem tratamento sim, pessoas que se sintam prejudicadas devem procurar ajuda de um psiquiatra para uma avaliação de caso. É importante também buscar um psicólogo para um acompanhamento terapêutico. As vezes é necessário entrar com medicação e em outros casos, sessões de terapia são suficientes.

Isto significa que eu devo banir o perfeccionismo da minha vida? Ou achar isso algo ruim?

Nem sempre, assim como açúcar demais pode levar à diabetes, exercício demais pode levar a lesões ou vigorexia, perfeccionismo em exagero pode levar a transtorno e prejuízo na vida das pessoas, portanto é preciso refletir qual é o preço que você paga por levar as coisas a índices quase que impossíveis de serem alcançados. As vezes feito é melhor do que perfeito, mas por outro lado pitadas de perfeccionismo é o que levam à excelência, desde que isso não provoque angustia, mal estar e climão, para você e para quem está a sua volta. Tudo é questão de bom senso.