Ela sempre foi tão linda. Lembro que todos os dias me enchia de felicidade, até nos dias mais tristes quando parecia que nada fazia sentindo, ela me dava um novo sentindo. 
Gostava do jeito dela lidar com as palavras, sabia o jeito certo de falar, ela tinha um vocabulário tão vasto que dava inveja.
Sempre queria mostrar pra todos que ela era minha. Talvez tenha sido essa posse que afastou, pois ela sempre gostou de ser livre. Dizia que tinha que conhecer o mundo, ter novas experiências e sensações. Isso a fazia ser viva.
Sinto tantas saudades dela. É como se tivesse um buraco dentro de mim. Tudo fica tão clichê sem ela.
Acho que minha criatividade terminou comigo e arranjou uma pessoa melhor, quem sabe então eu me case com esse texto que soa juvenil.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.