Aquela rosa de nós

Flor Makers-1896 | Samuel Melton Fisher

Peguei uma rosa aquele dia…naquele 1 de janeiro. Assim como peguei teu beijo aquela hora, naquele 1 de janeiro.

Agora me pego vivendo o que não vivemos e me pego sonhando o que não sonhamos e me pergunto “ por quê assim como a rosa - que mantém-se viva até hoje - o nós não perdurou?”, “ por quê não nos pegamos um para o outro?”, “ foi falta do eu, foi falta do teu?”… Enfim, foi falta. Tal falta essa que me faz falta e que me aguça os sentidos imaginando uma possível vida em demasia, cheia, dentre uma multidão de nós. Entretanto, só por agora, peguei outra rosa, mas não peguei outro beijo…peguei outra rosa, mas sem faltas, peguei outra rosa, peguei outra, mais outra e mais rosa. Consequentemente me vi colecionando estas, pra ver se um dia essa vida de rosas me traga teu beijo, me traga um beijo e que me preencha com um nós que tanto desejo.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.