De Traz pra Frente

É fato que nós tomamos como certo que a vida se move para frente; construimos memórias, momentos.. Nos movemos como um remador sem rumo.. podemos ver onde estivemos, mas não para onde estamos indo, e o nosso barco é dirigido por uma jovem versão de nós mesmos. É difícil não se perguntar como seria a vida olhando para frente, não? Agora, se criarmos um paraíso.. Veríamos nossas memórias se aproximando por anos, e as assistiríamos lentamente se tornando reais. Saberíamos quais amizades duraram, quais dias serão importantes, e nos prepararíamos para os erros que viriam. Iríamos para a escola e aprenderíamos a esquecer. Um por um, acertaríamos as coisas com os velhos amigos, aproveitando uma última conversa antes de nos encontrarmos e seguirmos caminhos diferentes e, em seguida, nossa vida se expandiria em um drama épico; as cores ficariam mais nítidas, o mundo pareceria maior, nos tornaríamos nada mais do que nós mesmos, deleitando-se na nossa própria estranheza. Perderíamos velhos hábitos, até que pudéssemos nos imaginar tornando quase qualquer coisa. Nossa família derivaria lentamente, encontrando uns aos outros novamente. Não teríamos que nos perguntar sobre o tempo, ou como seria a vida delas, saberíamos desde o início, qual foi a semana mais feliz que tivemos, para que pudéssemos revivê-la várias e várias vezes. Lembraríamos como é o nosso lar, e decidiríamos se mudaríamos para lá de vez. Cresceríamos menos com o passar dos anos, como se estivéssemos tentando dar tudo que tínhamos antes de partir. Tentaríamos tudo uma última vez, até tudo parecer novo outra vez. E então o mundo iria finalmente ganhar a nossa confiança, até não pensarmos duas vezes antes de abraçar oportunidades nos braços de outras pessoas. Começaríamos a notar que cada verão parece mais longo que o último, até alcançarmos o longo acostamento da aposentadoria da infância. Nos tornaríamos generosos, daríamos tudo de volta. Muito em breve não teriamos mais o que dar, o que dizer, o que ver e, a esta altura, ja teríamos encontrado alguém perfeito; alguém que se tornará o nosso mundo, e deixaremos este mundo tal como o encontramos, sem nada a se lembrar, a lamentar, com toda a nossa vida à frente, e toda a nossa vida deixada para trás.

Like what you read? Give Glau a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.