A Ditadura do Diploma

As coisas mais importantes que você vai aprender não estão na faculdade. De fato, o saber não é um elemento concentrado em uma fonte só, mas vem da criatividade e ação humanas, promovendo a solução de problemas. É como bem diz aquele ditado, “conhecimento é poder”, mas como encontrar tal poder, infindável e sem dono? A resposta é simples: ele emana do próprio indivíduo.

Geralmente, pessoas buscam o curso superior, pela necessidade de uma melhor qualidade de vida e maior estabilidade na carreira profissional e, uma vez na universidade, se dá início a construção do “currículo perfeito”, por meio da participação em cursos, projetos de extensão e iniciação científica, o que garante um bom conhecimento teórico. Sobre a habilidade prática, ela pode ser alcançada pela realização dos estágios obrigatórios, tudo dentro desse cenário no qual a teoria e a prática casam perfeitamente… ou não.

Aliás, falando-se sobre o cenário da faculdade, se vê a imagem do acadêmico como alguém que está em uma posição privilegiada socialmente, fazendo parte de uma minoria que teve contato com a informação de qualidade, informação essa que lhe formará como profissional, o que será comprovado pelo seu tão sonhado diploma. Mas há algo a se questionar: hoje, com o amplo acesso à tecnologia da informação, a universidade se torna o único e melhor centro de conhecimento? A resposta é não. Na verdade o sistema de ensino conhecido é um tanto quanto doutrinador, e as avaliações são ineficientes ao determinar o nível de conhecimento do aluno.

Assim, ao fim do curso, o sujeito pode se considerar um profissional formado e pronto para ingressar na carreira. Porém, na maioria dos casos, ele não decola como gostaria. Muitas pessoas inclusive, sentem dificuldade em conseguir um emprego na sua área de atuação. Porque isso acontece?

Bom, o perfil do jovem de hoje, a geração Y, é definido como o perfil do indivíduo empreendedor, esforçado e determinado, porém ansioso e imediatista. Ele quer sucesso instantâneo, e quando percebe que não o alcança, se desmotiva e desanima. O fato é que o diploma não vai necessariamente garantir o emprego deste ser humaninho e o sucesso não virá sem esforço, dedicação, sangue e suor.

Atualmente, os serviços exigem, para além do conhecimento teórico, a habilidade prática, motivação para o trabalho, saber trabalhar em equipe e a proatividade. Tem assim muito mais valor o “saber fazer” que o “certificado” de qualquer curso que o candidato tenha frequentado, seja inglês ou administração. Exige-se, sim, conhecimento, mas aquele conhecimento útil, sobre o qual a pessoa tem domínio e pode aplicar na prática sem problemas.

Na verdade, o sucesso vem da prática, realizada com perfeição, da dedicação, do empreendedorismo e do planejamento estratégico. O que é mais eficiente para se fazer a viagem dos sonhos, por exemplo: apenas conseguir o dinheiro necessário ou planejar o quanto você gastará, qual o melhor plano de viagem e as melhores estratégias para o alcance de seus objetivos? Para se atingir as metas as estratégias são essenciais, da mesma forma que um time não vence um jogo sem um bom plano e organização. Já se foi o tempo em que as opções eram restritas. Hoje, o que funciona é você descobrir aquilo em que é bom e investir nisso.

Novamente o diploma é um comprovante de que você foi formado com sucesso em alguma área do saber, mas ele se torna inútil quando o profissional não sabe trabalhar. Assim, que melhor prova de que o sujeito foi formado em determinado assunto que a sua própria habilidade para fazer. Aprender por conta própria não é, de forma alguma, inferior enquanto o aprendizado tiver sido proveitoso o suficiente, e isso não envolve decorar algum conteúdo para prova o qual, em breve, poderá ser esquecido.

Assim, dá para entender que o conhecimento está cada vez mais acessível, e ninguém é seu dono. De modo formal ou não o aprendizado pode ser assimilado, e para isso, a sua importância e não a necessidade de guardá-lo na memória por algum tempo, é o que conta. Da mesma forma, você pode ter domínio total sobre algum saber, teórico ou prático, mas não é isso que vai lhe garantir um emprego. Por isso, sucesso é como a beleza: “não vem sem dor!” e o crescimento profissional irá ocorrer aos poucos, com a devida dedicação.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.