Uma declaração de amor ao hiphop

[Uma declaração de amor]

O hip hop me ensinou muitas lições. Dentre elas, me ensinou a ver beleza em quem sou e em quem nós somos. Isso é, reconhecer o valor em ser um jovem negro, em ter o meu cabelo, meus traços. Me fez sentir bem com meu corpo, voz, jeito de ser e de me expressar.

Eu lembro da força que as imagens dos vários clipes nos dvds Hip Hop Video TRAXX traziam. Pra um adolescente nos seus 13, 14 anos, aquilo era um recado simples: eu poderia ser o que ou quem eu quisesse ser; com minhas letras, melodias, passos e ritmos, eu poderia inventar um novo mundo. Ou, pelo menos, um novo lugar no mundo. Inventar o meu lugar.

Hoje eu terminei de assistir #TheGetDown. A série tem várias contradições e seria possível apontar suas irregularidades, problemas no ritmo, na construção de alguns personagens e seus conflitos. Mas hoje, eu quero falar sobre como essa série me conectou a esse sentimento todo. E cara, eu amo essa série por tudo que ela representa, pelo importantíssimo esforço de contar parte da linda história da cultura hiphop. E por fazer isso de uma forma tão bonita e mágica quanto o hiphop merece.

The Get Down fez eu me sentir, de novo, um adolescente cheio de sonhos e planos, com um medo gigante do porvir, mas também cheio de esperança. A série me fez aprender mais sobre essa cultura global que conecta tanta gente de diferentes contextos, realidades e vivências. Cultura que nos ensina que nossa festa, nossa dor, nosso riso e choro, nossos corpos e o nosso chão podem, são e devem ser políticos. Que nossa vida é resistência, re-existência e insistência. É persistência, teimosia.

Sério, eu amo o Hip Hop. Amo minha cultura, tudo que ela me ensinou e ensina, tudo que ela me permite sonhar. Amo o hip hop como um horizonte, uma ferramenta, uma utopia, um caminho em aberto por onde ainda temos muito a percorrer. Amo o hip hop porque ele, em meio a tantas outras vivências, me ensinou a ver e a agir no mundo, a me ver como parte de um todo, e me sentir conectado com um passado e um futuro.

O hiphop, antes dos coletivos, do movimento estudantil, da formação acadêmica ou militante, me ensinou que sobre política, racismo, sociedade, violência policial, encarceramento em massa. Me ensinou a conectar fé, justiça e celebração. Me disse que eu deveria ter orgulho de quem sou e que eu não deveria me calar diante das injustiças. Me ensinou a ouvir um samba, um rock, uma MPB, um jazz, um gospel e um funk carioca com igual respeito e admiração. Ele me ensinou a cada vez mais me enraizar na cultura preta da diáspora — e a saber explorar todo e qualquer conteúdo ou conhecimento que esteja disponível pra eu samplear, remixar e me apropriar.

O hiphop e toda a cultura preta me ensinaram o que é cultura:
- um lugar de afirmação de quem sou, de onde vim e quem eu posso ser.

Obrigado por me lembrar de tudo isso, The Get Down!
Obrigado por tudo isso, hiphop ❤