INTERDIÇÃO

está proibido ser

está proibido!

a ponta do fuzil encontra mira

no olhar desconfiado,

nas feições trêmulas de medo,

no andar diferenciado,

na pele que ultrapassa os limites,

preto não pode usar cyclone.

preto não pode calçar kenner

preto não pode por gel no cabelo,

preto não pode ser.

a ponta do fuzil só vê cara (cor!), não vê coração

a mão camuflada de verde escuro-claro-musgo esconde a veia por onde passa o sangue vermelho pulsante que corre da bomba, porque sabe que explode.

está proibido ser

está proibido existir

está proibida a cor

o estereótipo já está tabelado:

escrito na lei

riscado na flâmula

pintado no verde-azul-amarelo

ORDEM.

PROGRESSO.

sapateou fora da norma, dançou.

e a norma é branca.

o progresso é branco!

cada paralelepípedo dessa cidade se arrepia, e os olhos estão embotados de cimento e lágrima

está proibido ser,

está proibido existir,

está proibida a cor.

21/2/17