Gabriela Pligel em Trainee J&J

De São Paulo , zona norte, 21 anos, capricorniana, nascida ao meio dia do alto verão de 1997, amor por uma praia e o mar e sorvete de chocolate, entusiasmo por tudo, fé em um mundo melhor e em abraços apertados capazes de curar tudo.

Desde que passei uma temporada de vida em recife, estudei desde sempre em uma escola alemã, aprendendo bastante sobre a cultura a língua e os valores rígidos que acompanhavam as professoras em todas as aulas pontualíssimas ao bater do sinal. Não era daquelas que fingia dor de barriga pra não ir pra escola, (só, as vezes) era daquelas que amava ficar o dia todo, e que além das aulas ficava pro vôlei, handebol, basquete e futebol, aulas extra de astronomia, ajudando os amigos a estudar antes da prova na cantina, organizando o baile de formatura e escrevendo o texto como oradora.

Hoje sinto saudades. Durante o colegial, senti mais ainda. Fiz uma pausa nas intensas amizades do segundo colegial para fazer um intercâmbio no Canadá. Foram seis de meses de grandes aprendizados e independência pessoal. Em meio à nova casa nas montanhas de Vancouver, andando pelas ruas com chaveiros barulhentos para espantar os meus novos vizinhos, os ursos, fiz amizades que perduram até hoje e experiências que fizeram ser quem sou hoje. Aberta à pessoas, lugares, rotinas e aprendizados.

Tudo isso, em uma confusão na minha cabeça, me fez pensar em muitos caminhos a seguir. Como poderia decidir entre ser bióloga marinha ou astrônoma ou arquiteta ou tantos outros? Publicidade e Propaganda me pareceu uma opção dentre as mais atraentes quando recebi uma ligação da ESPM dizendo que tinha sido aprovada. E mergulhei. Cada aula de marketing, fotografia, semiótica. Eu amei. Queria contar pra todo mundo sobre oque estava aprendendo. E foi assim, inquieta que decidi, junto com minha melhor amiga Caroline ter nosso próprio negócio. A Brigitta Marcher. Uma loja de acessórios, no Instagram cheia de estilo e o carinho de suas donas. A loja durou ano. Foi um sucesso, e até hoje pensamos em ativá-la novamente.

Um novo desafio se aproximava, a ESPM Jr.. Me parecia incrível fazer parte desse grupo de jovens que usava um moletom com as próprias siglas pela faculdade. E foi quando fui aceita no processo seletivo que realmente descobri o quanto era incrível. Foi uma fase desafiadora, em que fui, junto ao meu grupo consultora de marketing, realizando dois estudos de mercado. Com certeza, foi de lá que eu tirei grande parte do meu aprendizado, lidamos com empresas como a Artsana e grandes empreendedores brasileiros confiando em nós a decisão de abrir seu próximo negócio ou não. Meu grupo foi essencial nesse momento, juntos éramos complementares, diziam que eu era ao “motorzinho do grupo”, sem dias ruins, trazendo positividade quando tínhamos dificuldades e sendo ágil na busca por soluções alternativas e quando precisávamos cumprir prazos. Após seis meses como consultora, um desafio ainda maior chegou. Fui, na ESPM Jr. por mais seis meses gerente de marketing mercadológico. Além de gerir um departamento, era responsável por mais 4 trainees. Eu devia pensar no desenvolvimento deles e em como poderiam se preparar para suas próximas etapa na Jr., além de funções como endomarketing, comunicação com stakeholders, desenvolvimento de eventos e muito mais.

Depois desse ano, comecei a estagiar. Havaianas, marketing de produto global, linha kids & baby. Foi uma delícia entrar no universo infantil e pensar no desenvolvimento de uma coleção da sandálias para esse público. Eu aprendi muito sobe marketing. Após seis meses, ainda em Havaianas pude trabalhar na linha de Brand Extension. E esse foi, com certeza meu maior desafio. Vestuário, Acessórios, Óculos e Soul Collection. Todas essas categorias, uma coleção diferente para cada, muitos fornecedores e produtos. Um aprendizado e tanto de organização, resiliência, potencializados pela paixão de estar fazendo, um carinho enorme pela equipe e uma admiração sem tamanho pela chefe.

Meu próximo parágrafo, espero que, no futuro seja inteiro sobre uma fase minha na Johnson & Johnson. Tenho um carinho por essa empresa há tempos, desde a linha Johnson’s baby quando pequena, os abençoados Tylenol que curam quase tudo na infância, até as lentes Acuvue que me fazem capaz de escrever agora. Busco crescer e me desenvolver com quem é J&J e com a marca. Quero poder contribuir com quem sempre contribuiu com carinho com minha saúde e bem estar. Admiro a maneira como a empresa enxerga e valoriza a vida, e quer fazer acontecer o bem.

E se a Gabriela tiver que ser lembrada por algo, que seja por sua vontade de fazer acontecer, pela vontade de ajudar as pessoas e lutar por um mundo mais justo, que valorize cada ser e a natureza a nossa volta. Uma Gabriela sempre com sorriso no rosto, sempre querendo aprender mais e dar de sí para fazer o certo e o bem. ;)