I do miss you, baby.

Baby, I miss you. Tive que fazer a única coisa que me fez tremer, me fez temer, me fez chorar: Deixar você ir. Passamos por tantas coisas, brigamos tantas vezes e nos amamos o dobro para terminarmos desse jeito, eu sei. Eu queria que você soubesse que nunca menti sobre amar você, amei e amo mais do que quase tudo na minha vida. Você não sabe o quanto eu rezei para que tudo se ajeitasse, tudo ficasse bem no final de tudo, mas dessa vez tive que abrir mão de você — e você abriu mão de mim também. Tem dias que dói mais, outros que consigo uma distração qualquer e também alguns que choro sentindo sua falta. Há aqueles que disco seu número sem coragem de apertar o botão e te ligar, mesmo que a vontade me devore por dentro. Eu já estive tão perto de ti, abraçada a você e sentindo o bater de seu coração, mas agora não estou longe e nem perto, não te abraço e nem te solto, simplesmente não te sinto. Você foi um colega, um amigo, um irmão, e agora, um amor distanciado. Todos os meus pensamentos são ilustrados por você. A falta que você está me fazendo, me corta ao meio, abre um buraco em mim. I miss you, baby.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.