Crônicas do Mundial (09/10): Grupo B

Último, mas claramente o não menos importante grupo do mundial foi decidido. Abrigando os bicampeões mundiais da SKT, a última esperança norte-americana que foi a Cloud9, o time chinês da I May que buscava seguir seus compatriotas até a fase eliminatória e a Flash Wolves que buscava repetir o feito da edição anterior da competição. O Grupo B poderia ser chamado de tudo, menos monótono.

I May x Flash Wolves (Grupo B)

A I May começou a semana com a vitória — Foto: Riot Games/Flickr

Tempo- 41:08
Vitória- I May
AmazingJ- Ekko x Poppy -MMD
Avoidless- Alistar x Elise -Karsa
BaeMe- Aurelion Sol x Malzahar -Maple
JinJiao- Sivir x Jhin -NL
Athena- Lee Sin x Tahm Kench -SwordArt

Lembra quando você entra na fila ranqueada e não pega a sua posição preferida e tem que jogar naquela rota que você não gosta? Não é um sentimento bom… Imagina isso no Mundial.

Foi essa a situação que a I May foi colocada após seu Suporte usual Yun “Road” Han-gil ser suspenso por um jogo, após comportamento inapropriado nas filas ranqueadas. Um dos seus jogadores do meio Kang “BaeMe” Yang-hyun ficou em sua posição enquanto o outro, Kang “Athena” Ha-woon, sentou na posição de suporte, mas jogou como caçador de Lee Sin e Fan “Avoidless” Jun Wei, o caçador usual da equipe, jogou de Alistar suporte, só que sentado na posição de caçador, entendeu? Nem eu.

A equipe chinesa estava em uma situação no mínimo desfavorável. Só que este jogo superou todas as performances que o time teve até o momento.
Com um early game forte o time da Flash Wolves parecia no controle, sem deixar escapar nenhum Dragão e fazendo da selva inimiga a sua. Foi na tentativa fazer o Barão escondido que a equipe da LMS perdeu as rédeas da partida. A I May, que não estava tão na desvantagem no jogo, roubou o objetivo e ganhou a luta subsequente. As outras teamfights foram ganhas principalmente pelos jogadores que estavam em suas posições originais, mas os companheiros que foram obrigados a jogar em posições secundárias não decepcionaram.

A I May pegou o segundo Barão e dizimou a Flash Wolves perto do Dragão Ancião, ganhando a partida.

MVP: Shek “AmazingJ” Wai Ho, Ekko (4/0/10)

Um dos jogadores que não teve que mudar sua posição, Shek “AmazingJ” Wai Ho foi um dos destaques da I May que começou bem a segunda semana da competição. Com seus teleportes em dia, o Ekko foi um dos principais fatores para o sucesso do time quando o jogo parecia perdido antes mesmo de começar.


Cloud9 x SK Telecom T1 (Grupo B)

Blank está dividindo sua posição com o bicampeão mundial Bengi — Riot Games/Flickr

Tempo- 50:06
Vitória- SK Telecom T1
Impact- Kennen x Jayce -Duke
Meteos- Olaf x Lee Sin -Blank
Jensen- Ryze x Viktor -Faker
Sneaky- Ezreal x Jhin -Bang
Smoothie- Alistar x Zyra -Wolf

A composição dos dois times saíram opostas: do lado azul uma luta muito forte e do lado vermelho um forte controle de objetivos e varias ferramentas anti-lutas. Foram os coreanos que executaram melhor o potencial de seus campeões para conseguir ganhar o jogo.

O começo foi claramente do time americano, na rota de baixo eles aproveitaram a vida baixa da Zyra para focá-la. Smoothie com seu Alistar usou sua vantagem para afetar todo o resto do mapa escolhendo muito bem os seus alvos, se a Cloud9 tivesse ganhado o jogo, ele definitivamente seria o MVP, mas eles nao ganharam.

Mesmo atrás a SKT demonstrou sua experiência no controle do mapa e dos objetivos. O dano de longe, combinado com o controle de multidão em área dos coreanos, garantia superioridade nas rotas para derrubar estruturas. Quando a equipe se encontrava junta, se os americanos tentassem começar uma luta, Blank os chutava e colocava-os em posições desfavoráveis.

A Cloud9 achou algumas lutas, mas mesmo as que começavam ganhando não acabavam com o mesmo número de abates para os dois lados. Em sua melhor chance, eles gastaram tudo em Faker e acabaram saindo com menos membros depois da SKT reiniciar o combate.

A última luta parecia muito promissora, o Kennen de Impact iria flanquear os coreanos, mas Wolf estava posicionado para n deixar o ninja entrar no meio do time, nessa fight 4 dos membros da da equipe americana morreram e os campeões mundiais transformaram a vitória na luta no fim da nexus inimiga.

MVP: Bae “Bang” Jun-sik, Jhin (6/1/11)

O atirador adaptou o uso do campeão para se encaixar no objetivo da SKT de destruir estruturas inimigas. Usando seu ultimate ou para parar iniciações da Cloud9 ou para tirar um pouco de vida dos adversários abrindo o caminho para sua equipe derrubar a próxima estrutura.


Cloud9 x Flash Wolves (Grupo B)

MMD pode não ter ganho de Impact no confronto direto, mas levou o jogo — Foto: Riot Games/Flickr

Tempo- 39:44
Vitória- Flash Wolves
Impact- Gnar x Poppy -MMD
Meteos- Nidalee x Lee Sin -Karsa
Jensen- Viktor x Ryze -Maple
Sneaky- Ezreal x Caitlyn -NL
Smoothie- Braum x Tahm Kench -SwordArt

Depois da derrota para uma I May nada convencional a Flash Wolves lutava para se manter no Mundial, uma derrota destruiria qualquer chance do time da LMS de passar de fase. No lado da C9, que veio de uma derrota contra a SKT, os norte-americanos poderiam confirmar a sua vaga com a vitória, já que uma derrota os faria depender de resultados fora de seu controle.
A Cloud9 se inspirou em seu último jogo em que a SK Telecom T1 usou o Viktor de Faker para ganhar do Ryze de Nicolaj “Jensen” Jensen. Para a infelicidade da C9, essa estratégia não funcionaria contra a Flash Wolves.

O time do sudeste asiático dominou todos os aspectos da partida, até mesmo a rota superior, em que Jung “Impact” Eon-yeong era o favorito para ganhar, não foi a destruição total que muitos esperavam. A FW trouxe para este jogo a coordenação que eles sempre tiveram e adicionaram a capacidade de terminar a partida quando possível, habilidade que pareciam ter esquecido na primeira semana do Mundial.

Com um placar de 14 à 2, a Flash Wolves se manteve no Mundial.

MVP: Huang “Maple” Yi-Tang, Ryze (7/0/4)

Uma das estrelas da equipe nesta competição, Maple utilizou-se de maneira criativa o seu ultimate, para escapar dos adversários, para iniciar lutas e até para trazer tropas para perto da torre adversária mais rápido. Maple conseguiu ainda um Triple Kill entre as torres adversárias praticamente sozinho.


SK Telecom T1 x I May (Grupo B)

Celso Yokoyama

Wolf quer o seu segundo Mundial — Foto: Riot Games/Flickr

Tempo- 45:24
Vitória- SK Telecom T1
Duke- Jayce x Nautilus -AmazingJ
Blank- Olaf x Kha’Zix -Avoidless
Faker- Varus x Cassiopeia -Athena
Bang- Caitlyn x Jhin -JinJiao
Wolf- Karma x Bardo -Road

A vitória do time coreano combinado com os resultados dos companheiros de grupos garantiram a vaga deles nas quartas de final. A SKT escolheu uma composição menos convencional, mas suas habilidade e experiência superiores foram o suficiente para fazê-la funcionar.

Do lado azul, Blank com seu Olaf conseguiu aplicar mais pressão que o caçador adversário e, focando na rota do meio, garantiu dois abates para Faker. Já na rota de baixo, o suporte chinês Road gosta de tentar afetar o resto do jogo, para seu azar, Wolf estava acompanhando seus movimentos, o que impossibilitou essa vantagem. Além disso, o atirador coreano conseguiu, abrir uma grande vantagem de tropas em cima do oponente. A equipe vermelha só não estava atrás na rota do topo.

O mid game pode ser definido pelos atuais campeões mundiais usando o dano de ataque que tinham para rapidamente e metodicamente derrubar qualquer estrutura que eles conseguissem. Quando o inimigo tentava lutar, o tanque deles era explodido, confirmando que ninguém conseguiria viver por muito tempo quando no alcance da SKT. Um momento de falsa esperança para os chineses veio quando Avoidless roubou o primeiro barão, mas mesmo com a passiva do monstro, a SKT continuou abrindo a diferença de ouro.

Assim que a equipe da LCK rachou as defesas da IM, não teve mais volta. A vantagem era muita e toda a base vermelha foi sendo destruída até o Nexus.

MVP: Lee “Faker” Sang-hyeok, Varus (3/1/9)

As flechas do meio coreano foram o centro do dano do time. Sua pontaria certeira não permitiu que a equipe adversária contestasse os objetivos que seu time estava focando. Além disso, ele mostrava completa noção do oponente ao desviar e não deixar ser pego pelos fortes controles de multidões jogados em sua direção.


I May x Cloud9 (Grupo B)

Com a vitória a C9 precisava assistir e torcer para a SKT vencer da Flash Wolves — Foto: Riot Games/Flickr

Tempo- 51:04
Vitória- Cloud9
AmazingJ- Maokai x Rumble -Impact
Avoidless- Skarner x Rek’Sai -Meteos
Athena- Viktor x Ryze -Jensen
JinJao- Sivir x Jhin -Sneaky
Road- Kennen x Alistar -Smoothie

Para quem também assistiu o começo do segundo jogo da RNG contra a TSM viu semelhanças com esse, só que dessa vez eram os norte-americanos que estavam no controle. A Cloud9 abusou do poder do Alistar e executou dives durante boa parte do early e mid game. Depois de rapidamente destruirem a torre da rota inferior, Zachary “Sneaky” Scuderi e companhia transicionaram para a rota do meio e utilizaram o ultimate do Jhin para conseguir abates nos chineses. A I May parecia não entender por que sua torre não era um lugar seguro para o time e insistia em mandar um membro de cada vez para os braços da Aclamação de Sneaky. A C9 abriu uma vantagem larga no placar.
Diferente da RNG, que soube jogar nos seus limites e ganhar o jogo, os norte-americanos teimaram em lutas em que a I May estava melhor posicionada, foi a vantagem previamente adquirida que fazia com que a C9 não perdesse tanto nessas lutas.
Um jogo que poderia ter acabado mais cedo, não fosse o receio que o time de Jensen e a resiliência dos chineses, se prolongou para mais de dois Barões e alguns Dragões Anciões. AmazingJ e seu Maokai foram o que manteve sua equipe viva por boa parte do late game.
Finalmente, depois de um segundo Dragão Ancião e muita insistência, a Cloud 9 fechou a partida com uma teamfight nada limpa na rota superior que deixou os principais carries norte-americanos vivos para derrubar as últimas estruturas da I May.

MVP: Nicolaj “Jensen” Jensen (10/3/11)

Foram os ultimates de Sneaky que garantiram os abates no mid game, mas a constância de Jensen que fez a Cloud9 continuar viva na partida, mesmo errando algumas iniciações. Cada rotação de habilidades de Jensen era menos um membro que a I May podia contar em suas lutas. O Ryze estava inescapável com seu ultimate e mais 3 Dragões da Nuvem para adicionar à conta.


Flash Wolves x SK Telecom T1 (Grupo B)

Celso Yokoyama

Faker derrotou a FW e quebrou a maldição contra o time da LMS — Foto: Riot Games/Flickr

Tempo- 39:49
Vitória- SK Telecom T1
MMD- Poppy x Trundle -Duke
Karsa- Lee Sin x Olaf -Bengi
Maple- Viktor x Lissandra -Faker
NL- Caitlyn x Ezreal -Bang
SwordArt- Braum x Nami -Wolf

A FW precisava ganhar essa partida para ter uma chance de um desempate contra a Cloud9. Mas a SKT, mesmo com sua vaga já garantida, tinha um trabalho: ganhar um jogo pela primeira vez contra os taiwaneses. Os coreanos conseguiram a vitória e deram de presente um passe para um velho companheiro, Impact, e seu atual time americano para as quartas de final.

Durante o confronto, Faker parecia um pouco fora de si, estava demonstrando um performance inesperada de um jogador do calibre dele, fazendo decisões duvidosas. O mapa estava calmo até que a dupla de campeões mundiais, Faker e Bengi, desceram para a rota inferior e começaram a abrir uma vantagem que só cresceu à medida que o tempo passava. O meio e caçador coreano continuaram a deixar o jogo mais difícil para o oponente toda vez que apareciam juntos para uma jogada. Na primeira tentativa de Barão, Karsa aproveitou um descuido da SKT e ganhou a guerra de Golpear contra o adversário, tendo êxito em roubar o monstro épico. Os coreanos não ligaram muito para o erro cometido e continuaram a pressionar a base azul.

Já no late game, a equipe vermelha estava forte demais para ser contestada, o Ezreal lendário de Bang parecia ter dano sem fim. O segundo barão foi assegurado para o lado vermelho e, com ele, o time foi até destruir o Nexus adversário.

MVP: Bae “Bengi” Seo-woong, Olaf (1/1/14)

Bang merece ser mencionado aqui também, já que seu Ezreal (10/0/7) estava derretendo os membros inimigos. Porém, em um jogo onde os dois bicampeões garantiram as vantagens do time, Bengi estava cobrindo Faker por todas as jogadas estranhas que ele fazia. O caçador mostrou domínio dos limites em seu campeão e em sua posição. Sua gafe ao perder o Barão fica perdoada com o nível de sua performance.