um poema atrasado.


os dias tem passado
e eu, vivido
o que, num primeiro
[momento
pode parecer saudável:
não é.

não é, porque
os dias tem passado
e tudo que eu tenho
[feito
é viver.

viver com uma
eterna sensação
de estar atrasado
de ter sido
em algum momento
mal-encaixado
no tempo
na casa
na sala
na vida.

os dias tem passado
e isso me assusta
um tanto bom,
fico apavorado
parece não ter jeito
da vida não virar passado.

olho no relógio:
sempre tarde demais
para o que deve ser
[feito
para tudo o que
eu jamais planejo.

enquanto ouço uma canção,
penso nisso, do tempo
penso no que quero dizer
também no que gostaria
[de ter dito
os poemas, as histórias
que eu ainda preciso escrever
penso nos corações
cansados, maltratados
conforto que, numa oração
deixei de oferecer
penso no mundo
lá fora, pronto
para ser conhecido
para me conhecer
toda a gente
toda essa gente
com tanto a ser dito:
nunca dirão.
penso em tanta coisa
fico exausto e apago
quando acordo, assustado
vejo o calendário:
os dias virando passado.

aterrorizado, obrigo-me:
levantarei
chegarei
na hora
encontrarei
a fórmula
antes que
o último dia
entre pela porta
e não passe;
resolva ficar.
se ele ficar, é o fim
enquanto os dias passarem,
e os dias tem passado!,

sempre há
esperança
de mudança.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.