Black Mirror S02E03 — Waldo Moment

Waldo é um desenho animado de um urso, personagem de um programa de humor da televisão inglesa, interpretado por Jamie Salter. O urso tem uma caverna cor-de-rosa onde recebe seus convidados para entrevistas, que parecem ser de um programa infantil, mas reservam a armadilha de um humor agressivo e ácido. Seu entrevistado mais recente é Liam Monroe, candidato conservador, que fica constrangido com as perguntas; o vídeo da conversa viraliza.

Tentando pegar carona no sucesso do vídeo da entrevista com Monroe, o ursinho azul passeia pelas ruas atrás do candidato para fazer outras perguntas durante sua campanha. Em todos os momentos, Waldo satiriza a postura padrão do político, com respostas prontas para problemas que afligem a população como a segurança pública e o jeito artificial com o qual ele interage com os eleitores.

Estetização da política — Waldo, o candidato heroi.

Waldo materializa — mesmo sendo um ursinho virtual — o sentimento de ojeriza à política tradicional, superficial no trato com o eleitorado e inócua na resolução dos problemas cotidianos. Jack Napier, o produtor e dono do personagem sugere o insano passo seguinte, a candidatura política de Waldo. Jamie reluta inicialmente, por não ser um político, mas aceita a sugestão.

Vote no Waldo

A única plataforma política de Waldo é a humilhação dos outros candidatos políticos. Waldo é um heroi que desepeja o ódio de muitos contra a classe política em forma de humor. E isso já lhe basta para ter sucesso na eleição.

A história de Jamie

Jamie não vinha em um bom momento de sua vida pessoal, enquanto Waldo escalava seu sucesso. Em um coquetel, se interessa por Gwendolyn Harris, ao avistá-la. A produtora do personagem, Tamzin, avisa que Harris é a candidata do partido trabalhista e que Jamie deveria ler sobre sua vida, a fim de munir seu arsenal de agressões, e não tentar se aproximar de Gwendolyn. Nada que o rapaz tenha dado muita atenção.

Jamie e Waldo

No dia que seguiu a noite que passaram juntos, Jamie manda uma mensagem para Gwendolyn sem retorno. Esbarra casualmente com ela, que diz para não se encontrarem mais. A associação da negativa com a carreira política de Harris é direta para Jamie. A frustração amorosa supera o sucesso do personagem.

Gwendolyn Harris

Liam, Gwendolyn e Waldo vão a um debate político, onde o ursinho começa o seu roteiro costumaz de humilhações ao candidato conservador. Este, agora, revida dissecando toda a carreira medíocre de Jamie, expondo suas frustrações ao público. Após um breve estupor do ator, Waldo denuncia a artificalidade de Liam, considerando-o menos humano que si próprio, um ursinho azul virtual. Na sequência, Waldo direciona suas ofensas a Gwendolyn, que estavam inflamadas pelas frustrações: a da sua carreira até então, exposta por Liam, e o fim do relacionamento relâmpago. Acusa-a de ser tão superficial quanto Liam, não por buscar vencer a eleição, mas por apenas usá-la de trampolim para sua carreira política.

Liam, Gwendolyn e Waldo em um debate

Jamie sai transtornado do debate e entra numa espiral de destruição. Em uma aparição de Waldo pelas ruas, ele, através do personagem, diz que não deveria-se votar no urso, revoltando Jack. Jamie demite-se, sai da van e continua a insultar Waldo, jogando pedras na tela. Waldo, agora controlado por Jack Napier, acusa Jamie de ser seu inimigo e o ator acaba sendo agredido pelo público enfurecido com a crítica a seu heroi. Naquele momento Jamie já era muito menor que o personagem que criou.

O fim do capítulo mostra Jamie dormindo na rua como um pedinte, com telas exibindo diversos anúncios de produtos relacionados a Waldo. Revolta-se novamente, tenta quebrar as telas e é preso pela polícia.

O principal problema de Waldo não é a falta de propostas.

Jack Napier também não era político e sim produtor, portanto não era mudança na esfera pública o que ele objetivava ao lançar a candidatura do ursinho. A intenção era usar a eleição para aumentar o impacto e a popularidade de Waldo, a fim de gerar dinheiro com seu sucesso, como ficou claro na última cena do episódio, onde várias telas apresentavam produtos relacionados ao urso. A contradição é que Waldo era um projeto político tão artifical quanto aqueles a quem ofendeu. Se Gwendolyn queria apenas usar a candidatura como trampolim em sua vida política, Waldo era uma arma não para mudar a sociedade, mas para fazer dinheiro. O público tentando fugir de uma proposta falsa de política, comprou outra proposta falsa de política. Esse é um paradoxo interessante do movimento anti-político.

Após o anúncio da derrota de Waldo para Liam, Waldo, naquele momento já comandado por Jack Napier, incita o público a atirar sapatos no candidato vencedor. A posição de heroi do ursinho é suficiente para que o público aceite sem pestanejar a sugestão violenta e comece a agredir Liam e quem estava no palco com sapatadas.

O heroi que vem combater um temido e forte inimigo não é questionado nem quando propõe absurdos. A irracionalidade irradiada pelo ursinho é o seu princpal perigo à sociedade. É fácil olhar para a história do episódio e se lembrar de como Hitler fez dos Judeus seus inimigos para conseguir o apoio do povo alemão a uma ideologia tão nefasta e absurda como o Nazismo. É importante olhar para a trajetória de Waldo e questionar devidamente todos os que se candidatam, não só a cargos políticos, mas a capa de heroi. Essas figuras se proliferam em momentos de crise política, como o Brasil do início de 2017. Um político de carne e osso pode patrocinar coisas muito mais graves do que algumas sapatadas em seus concorrentes.