O suiço-brasileiro que já fez chover

Não, ele não foi convidado para o Roda-Viva, nem para o Mundo S/A. Também não está na lista daqueles “mágicos” das palavras bonitas e complexas, chamados de especialistas, que habitam nossos noticiários na tv fechada. Muito menos, na capa de qualquer um do quarteto mongo-informativo que aqui chamamos de jornais. Mesmo assim, uma busca rápida na internet e bummmm… é tanto conteúdo e genialidade que dá vontade de fazer um post só por isso.

Ernst Gotsch em sua fazenda — Piraí do Norte, BA. Foto: agendagotsch.com

Ernst Götsch mudou-se para o Brasil no início da década de 80. Antes disso, ele acompanhou o massacre das florestas de araucárias do Paraná, fato que o deixou doente e perplexo. Em 84, fixou residência em uma fazenda no sul da Bahia, e como tradição na região, para refletir sobre a realidade local, batizou-a de Fazenda Fugidos da Terra Seca. Uma grande área com aproximadamente 500 hectares de terra improdutiva (mais ou menos 5.000.000 de metros quadrados) devido às práticas erradas de uso e manejo da terra no local.

Mas como sempre há males que vem para o bem, Ernst encontrou ali o local ideal para colocar seu conhecimento em prática e o seu desenvolvimento obsessivo de experimentos agroflorestais transformou sua terra, antes seca e mal-amada, em Fazenda Olhos d’agua. Sempre mantendo a tradição da região de usar nomes nas fazendas que servissem de reflexão sobre a realidade do local.

Atualmente, o local abriga cerca de 14 nascentes e 7 córregos e a área da fazenda influencia até o clima da Microrregião e o ambiente do entorno. Sua visão pioneira da função e evolução das espécies na natureza mostrou como é possível recuperar solos e sistemas agrários olhando para eles e buscando reconciliar o ser humano com o meio ambiente.

Frases de Ernst

“A vida baseada no amor incondicional gera abundância”.

“Somos parte de um sistema inteligente”, por isso não precisamos perder muito tempo, as respostas estão todas na natureza.

“A vida não conhece tempo, conhece fluxo”. Alguma semelhança com nosso dia a dia?

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Gustavo Alves’s story.