Rick Bonadio está errado: os Mamonas Assassinas fariam mais sucesso hoje do que nunca.

Mamonas Assassinas posando para foto em uma Brasília amarela em alusão à música "Pelados em Santos". A música basicamente tira sarro de quem é pobre e foi um dos maiores sucessos da banda, inclusive entre os pobres.

“O mundo está chato. Politicamente correto demais", disse Rick Bonadio, descobridor dos Mamonas Assassinas, justificando porque não haveria espaço para uma banda como essa hoje em dia.

Antes de mais nada, um rápido retrospecto para quem não está familiarizado com a cultura pop dos anos 90: os Mamonas Assassinas foram uma banda musical que saiu do nada e tomou de assalto as TVs e rádios da época com sucessos como "Robocop Gay", "Pelados em Santos" e outras paródias escrachadas que não perdoavam nada nem ninguém.

Tirar sarro de pobre? Tá valendo. Gays? Lógico, porque não? Música brega? Adoramos. Esse era o Mamonas Assassinas, avacalhação geral em nível mainstream.

Ok, acho que todo mundo vai concordar: de lá pra cá o mundo virou um lugar muito, mas muito chato. Todo mundo parece se ofender facilmente com tudo. Falar sobre política e religião sempre foi difícil, mas agora parece ser impossível. E essa chatisse está invadindo todas as praias, inclusive as artes. Mas há uma reação a esse fenômeno.

Eis minha tese:

É exatamente por que o mundo está chato que figuras como o Donald Trump e Bolsonaro estão explodindo em popularidade, sob olhares de incredulidade de seus adversários e também da opinião pública.

Trump e Bolsonaro são os Mamonas Assassinas da política e ninguém parece ter se dado conta disso. Estão capitalizando em cima do clima de opressão criado pela patrulha ideológica do politicamente correto. Eles fazem isso deliberadamente, arrebanhando multidões onde quer que apareçam.

E você aí achando que eles são uns bobocas. Não, eles são muito, mas muito espertos.

Trump e Bolsonaro: “Mas como é possível?”

Como é possível que um cara tão cheio de defeitos possa fazer um sucesso tão grande?

Simples, eles fazem sucesso JUSTAMENTE porque não ficam tentando serem perfeitos o tempo todo.

Vamos partir do fato concreto de que todo mundo tem defeitos. Algumas pessoas assumem seus defeitos publicamente e outras não. Neste início do século o clima social parecia favorecer tremendamente a segunda opção.

Escondendo nossas falhas de caráter sob uma narrativa cuidadosamente construída é possível fazer os outros acreditarem que somos verdadeiros santos, imaculados e virtuosos, livres de qualquer pecado, monopolistas do bem e da Verdade, prontos a livrar o mundo de todo mal e perdição.

Assim raciocinam boa parte das pessoas públicas do nosso país e do mundo.

Em alguns casos mais extremos o sujeito chega até mesmo a esconder dele mesmo seus próprios defeitos, provocando um quadro que se assemelha à uma espécie de insanidade mental: de tanto se comparar com São Chico, o sujeito passa a acreditar que é São Francisco. Uma espécie de síndrome de Messias.

Só que tanta farsa tem um limite. Já deu.

O sucesso tremendo que os reality shows vem fazendo há mais de uma década deveriam ter dado uma dica do que estava por vir. E não é coincidência que Donald Trump tenha saído diretamente de um deles: a personalidade que ele demonstrou em O Aprendiz conquistou as mentes e corações dos americanos muito antes de chegar nas urnas.

Hoje é mais fácil do que nunca cruzar informações, comparar o que o sujeito disse ontem com o que dizia há 20 anos atrás e descobrir que no fim das contas aquele cara bancando o santinho ali na sua frente é um cara igualzinho a você: com defeitos, contradições, imperfeições, etc. Descobrir uma personalidade fingida e artificial, minha nossa, é mais fácil ainda.

As pessoas estão se revoltando contra os discursos polidos e optando pela realidade precisamente por que lá no fundo elas sabem que estão sendo enganadas quando alguém aparece com um discurso bem construído demais para ser verdadeiro.

Quem continuar negando isso vai acabar como o rei que desfilava nú pensando desfilar com seu majestoso traje invisível: desmoralizado e ridicularizado em público por alguém que, com a simplicidade e sinceridade de uma criança, vai simplesmente dizer a verdade.

E cada vez mais pessoas vão dizer a verdade. Porque é a coisa certa a se fazer. Porque as redes sociais dão espaço para isso. Porque é divertido desmascarar um mentiroso.

Lula: o homem mais honesto do mundo.

Há poder na simplicidade e na sinceridade.

Tanto Trump quando Bolsonaro tem algo em comum: desprezam o politicamente correto e tiram sarro de seus próprios defeitos. Eles falam abertamente aquilo que boa parte do público pensa mas já não tem coragem de falar. As falhas e contradições de um cara como o Trump aparecem para esse público como a provas incontestáveis de que ali existe uma pessoa real e não um homem de isopor feito à imagem e semelhança de algum marqueteiro contratado a peso de ouro.

Até o John Oliver, que é um cara pra lá de progressista, admitiu em seu programa:

“Tem uma parte de mim que gosta do Donald Trump, e eu odeio essa parte”.

Ora, e qual é essa parte que faz o John Oliver odiar a si mesmo, senão a parte politicamente correta? E qual é a parte que faz ele gostar do Trump, senão aquela que ainda é capaz de reagir ao humor sem filtros ideológicos, com espontaneidade?

Existe uma qualidade oculta naquele cantor desafinado que sobe no palco e, em vez de tentar imitar o Freddie Mercury, assume suas limitações e faz o seu próprio show, colocando em evidência a sua própria personalidade. Rick Bonadio percebeu isso décadas atrás e fez rios de dinheiro com os Mamonas. Eles eram competentes, mas não eram virtuosos e nem tentavam se passar por virtuosos.

A graça deles estava na simplicidade. Eles passaram anos fazendo piadas nos ensaios e tocando música séria nos palcos, mas a banda só decolou quando as piadas foram levadas para os palcos e a pretensão foi abandonada de vez.

Mamonas Assassinas teria se tornado uma banda totalmente ridícula caso tivesse tentado levar a si mesma a sério e o fato é que eles morreram antes que isso pudesse acontecer. Deus sabe o que teria acontecido com os Mamonas nos tempos de hoje, onde a imensa maioria dos artistas se refugia sob falsas polêmicas justamente para evitar o risco de cairem na mira da meia dúzia de chatos eternamente ofendidos com tudo.

Chico Buarque: nenhuma música de protesto contra a ditadura do politicamente correto.

Todo poder aos FMV: Fiscais da Moralidade Verbal.

O humor sempre foi a última fronteira da liberdade de expressão. Mas até fazer humor nos dias de hoje ficou difícil. Não é que o público não queira ouvir as piadas, é que os comediantes estão sendo processados mesmo.

Fazer comédia com determinados assuntos já não é mais uma questão de aguentar a polêmica da opinião pública e sim de ser capaz de pagar advogados e custas judiciais para lidar com as infinitas associações, coletivos, ONGs, e até mesmo partidos políticos que tomaram para si a função de fiscalizar a moralidade alheia e manter o discurso ideológico sob controle.

Mas o pior nem é isso.

O pior é que assim que um artista se pega pensando coisas do tipo "será que eu vou ser processado por dizer isso" isso significa que a sua liberdade de expressão já acabou. Ele está na mesma situação do sujeito que no século passado se pegava imaginando se seria preso por criticar o regime militar, só que ele ainda não se deu conta disso. O que os FMV (fiscais da moralidade verbal) fazem na prática é restaurar o crime de opinião, só que com um verniz democrático.

Enquanto Chico Buarque canta sua milésima música contra uma ditadura do século XX, os FMV impõem uma ditadura mil vezes pior sobre todos nós, aqui mesmo no XXI. O artista que decidir falar contra essa nova ditadura será duramente perseguido, mas colherá os louros sozinho.

Levy Fidélix: "Se você destoar demais do discurso oficial, nós estaremos de olho em você."

Conclusão: O público está pronto para aplaudir, só falta alguém subir no palco.

Posso dizer com convicção: Rick Bonadio está completamente enganado.

Mamonas Assassinas seria hoje mais viável do que jamais foi, justamente porque o mundo está absurdamente chato e porque o público está praticamente implorando por pessoas que falem sem filtro, sem a preocupação de agradar o tempo todo.

Como cada tempo tem seus desafios, aqueles que hoje ousarem destoar do discurso politicamente correto serão alvo de manobras que não existiam tempos atrás. Mas também poderão contar com ferramentas que não existiam antes, sendo a maior delas as redes sociais.

O que seria de um Trump ou de um Bolsonaro se eles dependessem apenas do que a grande imprensa diz deles? Nada. E no entanto estão aí, bombando no facebook e no WhatsApp com milhões de curtidas e compartilhamentos.

Bora aí criar o próximo Mamonas e ficar podre de rico? ;-)

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Gus Bernardo’s story.