Tipo obra de arte: Repetto celebra 60 anos da Cendrillon com expo no MUBA

Em 1956, Mme. Rose Repetto, já famosa por suas sapatilhas de balé, recebeu um pedido especial: um par de sapatilhas encomendado por Brigitte Bardot. Assim nasceu o modelo Cendrillon, usado pela musa no longa que projetaria sua faceta mais sensual, “E Deus Criou a Mulher”. No mesmo ano, a sapatilha ganhou, nos pés da atriz, o Festival de Cannes e, em 1957, estrelou como coadjuvante de outra estrela, Audrey Hepburn, em “Cinderela em Paris”. Hoje, é o modelo mais reconhecido da etiqueta. É feita à mão em diferentes modalidades de couro com ajuste regulável finalizado por um laço e salto de 1cm. Leva o expertise da grife famosa tanto pelas sapatilhas profissionais quanto pela tradução sofisticada do universo da dança na sua linha completa de roupas e acessórios.

60 anos depois de sua criação, a Cendrillon ganha agora reinterpretação de 22 nomes nacionais e internacionais da moda, das artes e do cinema para celebrar sua história. Em união com o Centro Universitário Belas Artes de São Paulo, a mostra Repetto Loves Art — 60e Anniversaire de Cendrillon ocupa o endereço do museu da universidade com uma série de sapatilhas transformadas por Vic Meirelles (um de seus ex-alunos), Patricia Viera, Rodrigo Ohtake, Chiara Gadaleta e Isabela Frugiuele, da Tryia, entre outros. De fora, criações assinadas por Jean Paul Gaultier, Vanessa Paradis, Catherine Deneuve e pela dupla da Proenza Schouler complementam o rol de nomes estrelados envolvidos no projeto.

Com curadoria de Dhora Costa, docente da Belas Artes, a mostra conta a história da Repetto e revela um pouco do savoir-faire da casa com protótipos e imagens de acervo. A exposição ocupa o Museu da Belas Artes até o próximo 19/03, na Rua Dr. Álvaro Alvim, 90, Vila Mariana, em São Paulo. Conta com entrada gratuita. Abre de segunda à sexta, das 10hs às 20hs e, aos sábados, das 10hs às 16hs. Mais informações, no site da Belas Artes.


Originally published at traum.com.br on March 3, 2016.

Like what you read? Give Guga Santos a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.