Seja único

Chegar em uma cidade diferente, conhecer um universo de pessoas novas, deixar para trás sua vida antiga, acostumar-se com uma nova rotina. Tudo isso fez parte da minha experiência de ser calouro, o que, para falar a verdade, foi maravilhoso e contou com ótimas companhias. O único problema é que diante de toda essa nova realidade eu acabei tomando péssimas decisões — que acompanharam péssimas consequências.

Estar naquele ambiente completamente novo me abriu uma porta: eu podia ser uma pessoa totalmente diferente, já que ninguém ali me conhecia. Esta ideia, provavelmente, é a primeira que passa pela cabeça da maioria de nós calouros “estrangeiros”. A ideia de recomeço, de poder se dar uma nova história, uma nova personalidade, é muito agradável, mas também muito perigosa.

Ao tomar a decisão de ser uma pessoa diferente, lembre-se que aquele vai ser o seu papel por um bom tempo. Esteja ciente que você terá que reprimir quem você é de verdade para que as pessoas não vejam nenhuma falha ou conflito. Saiba, também, que quando for dormir, tomar banho, fazer qualquer coisa sozinho, você enfrentará sua consciência, aquela antiga mesmo, te julgando por se contradizer.

Pior ainda é ter sua nova imagem marcada para sempre na mente das pessoas que estão te conhecendo, porque, acredite se quiser, a primeira impressão realmente fica. E se não fica, é difícil de reverter, custa tempo. Sem falar que seus amigos, aqueles que já te conheciam antes, ainda existem — mesmo que parem de falar contigo aos poucos — e quando você visitá-los, eles não querem o novo, eles querem o antigo, o que eles conheciam.

É claro, sem dúvida alguma, que você vai mudar ao longo do tempo, ninguém é sólido. As situações pelas quais você vai passar, os novos tipos de relacionamento, o ambiente e a carga de informações que você receber, tudo isso te molda, te afeta, influencia. Entretanto, essa mudança é natural, ocorre com todo mundo, as pessoas amadurecem. O que eu fiz quando calouro e o que quero mostrar é que minha mudança foi forçada, o que causou um efeito contrário do que deveria. Eu me tornei mais infantil.

Se permita mudar, mas não se obrigue a isso de primeira. Perceba que aos poucos você vai se transformando, conhecendo coisas novas e se encaixando em um grupo. Não é preciso se obrigar a ser de jeito ou de outro para se sentir como parte de algo, porque sempre existirá algum lugar que vai te aceitar do seu jeito e pessoas que terão afinidade com você. Este pode parecer apenas mais um texto clichê de como devemos ser nós mesmos e não mudar pelos outros, mas na verdade é sobre como devemos ser nós mesmos e não deixar de nos agradar.

A universidade tem uma universidade. Então, seja único.

  • Por Ícaro Chaves