Exposições para curtir no Rio de graça

Com várias opções de museus, galerias de arte e centros culturais maneiríssimos, a cidade carioca reúne em sua programação diversas exposições de artistas que vale a pena conhecer! Pensando nisso, separamos aqui algumas exposições que o Rio tem em cartaz durante os próximos dias. Confira:

Fotografia Expandida
No Oi Futuro, uma experiência tecnológica em que a artista integrou a geração 90 do Parque Lage. Nesta mostra que ocupa duas galerias do espaço, a carioca Denise Cathilina apresenta fotografias que passam por várias técnicas — da analógica à digital — e uma instalação com projeções televisivas e câmeras de segurança.
Até 13 de Novembro, no Espaço Oi Futuro da Rua Dois de Dezembro no Flamengo. De Terça à Domingo, das 11h até 20h.

Paisagem em Comum
Neste ano de 2016, a artista Monica Mansur comemora 30 anos de atividades artísticas. Portanto, convidou para exposição muitos dos artistas que, durante todos estes anos formaram grupos, coletivos, foram parceiros em projetos duradouros e sócios em empreitadas de arte, festejando o momento numa celebração à paisagem. A mostra foca na experiência do tempo, rastro e memória, usando a fotografia pinhole e a fotografia infravermelha de paisagem como veículo.
Tudo isso no Solar Grandjean de Montigny, no Centro Cultural da PUC na Rua Marquês de São Vicente, 225. De 10 de Outubro a 25 de Novembro, das 16h às 20h

Moderna Para Sempre
 Instalada no primeiro andar do Paço Imperial, Moderna para Sempre, agora apresentada em sua totalidade, exibe obras consideradas raras e que formam a coleção de fotografia modernista do acervo do Itaú Cultural. Em destaque, as três aquisições recentes: Sem Título (1950), de Eduardo Salvatore; a vintage, de data indefinida, Sem Título, do catalão que viveu exilado no Brasil Marcel Giró, e Elos (1950), de Mario Fiori, de quem até então não havia qualquer obra no acervo de fotos modernistas do instituto.
Paço Imperial fica na Praça XV de Novembro, 48. Exposição aberta até 20 de Novembro, de Terça a Domingo das 12h às 18h.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.