Ontem fui chamado de petista enquanto pedalava com a camisa da Seleção


Na noite de ontem, eu estava de bicicleta indo da Avenida Paulista para a Rebouças. Passei por baixo da Praça do Ciclista e entrei no túnel que dá acesso à Rebouças sozinho, quando apareceu um carro e desatou a buzinar. Encostou, ficou a um metro e meia de distância dando sinal de luz e gritou enquanto sentava o dedo na buzina:

— Vai pra Cuba, petista do caralho!

Eu não sou petista. Sinceramente, se eu fosse isso não diria respeito a ninguém além de mim, ou aos colegas de partido. Sequer seria um problema ou um crime, também. O curioso é que ontem eu estava com a camisa da Seleção Brasileira — a mesma que foi símbolo daquela manifestação confusa que era contra… O governo petista.

O cara me seguiu por um minuto, talvez menos, mas como estávamos ambos em alta velocidade cheguei a pensar que ele fosse me atropelar (já andou de bicicleta na rua? Sabe como é a sensação?). Mas não: saiu logo depois gritando alguma coisa sobre Cuba, que eu quero conhecer, inclusive, se quiserem me mandar pra lá. O que não fazia qualquer sentido na minha cabeça era eu estar sendo assediado usando a camisa da Seleção Brasileira. Sempre uso camisas de futebol para pedalar, são mais folgadas que as normais. Isso não era o símbolo desse povo? Saí de casa achando que estaria até mais protegido — risos.

A verdade é que o uso de bicicletas em São Paulo foi sequestrado e agora é moeda de troca no Fla x Flu político em que vivemos. Se você é a favor de infraestrutura que proteja ciclistas — sinalização decente, ciclovias, ciclofaixas — você é do time do Haddad, o talibiker, você já está na linha inimiga.

Eu economizo (muito) dinheiro usando bicicleta, estou mais saudável desde que comecei a usar uma para me deslocar, inclusive é até mais divertido do que pegar metrô lotado. Isso não tem nada a ver com rixa partidária, gente amada, isso é política pública. Não vai — ou não deveria — sumir depois do fim do mandato do Haddad. Vai ficar aí e precisar de manutenção, mudanças, outros planos, se aquela promotora lóqui não conseguir reverter esse quadro.

As pessoas que utilizam carro estão no seu direito de utilizar carro. Mas impedir quem quer utilizar bicicleta e ligar essa escolha à opinião política do ciclista, ultrapassa os limites do bom senso. Foi por essa "democracia" que colocaram "um milhão" na Paulista? Para esse pessoal fica o convite de ir pedalar com a gente nessa sexta. Aos amigos ciclistas, fica o aviso: camisa da Seleção Brasileira não é bom negócio.