esse tal de sentimento é que nem bicho

Tô tentando tanger da lembrança tudo o que for coisa que te lembre
Caçando um jeito de dar um fim pr’esse desassossego
Tô quase entupindo com esse desembesto todo de recordação 
Procurando jeito de botar pra fora esse dilúrio que vem com a agonia de querer não sentir
Jeito esse, que se não for de dar jeito, que pelo menos diminua esse dilúvio de sentimento
Tô doido atrás de explicação, consultando cristo, filosofia, sociologia, genealogia
Tô danado inventando prosa, moda, dança, crença
Qualquer coisa que seja, que dê jeito no desmantelo desse coração desmantelado
Tô quase determinado a inventar outra geografia, onde eu não seja daqui, e tu teja onde tu quiser tá, porque daí não vou ter como lembrar de tu, se eu já não vou ser mais eu, e tu também não vai ser mais tu
Tô já cansando, por isso que tô te contando que tô emperrado no tempo remoendo memória
Tô me dando por vencido, bem que me disseram que esse tal de sentimento é que nem bicho, parece que não gosta muito de ser tangido que mostra logo os dente
Tô sofrendo com qualquer coisa que me lembre da gente
 Tô me segurando pra não pedir que tu volte, porque eu ainda lembro que tu fosse porque quisesse, e eu não quero ser quem te diz o que tu tem que fazer, porque eu também não gosto de ser mandado
 Tô contando de segundo em segundo até dar a hora disso passar
 Tô querendo passar o dia inteiro dormindo sem ficar acordando pra me magoar quando lembrar 
 Tô com raiva de mim, porque me peguei considerando a possibilidade de deixar de ser eu pra ser outro, pra vê se tu voltava a gostar de mim, porque não ia mais ter muito desse mim
 Tô querendo que tu volte, mas não tô querendo te pedir
 Tô só pedindo pra que tu não pense que isso é um pedido pra tu voltar só porque eu quero que tu volte
 Porque eu ainda não me decidi se eu quero mermo que tu volte ou se eu quero que isso passe.