Certo dia quase

(ou Enquanto meu dedo pairava sobre o botão verde)

Que ta tudo bem.

Que o tempo melhorou.

Que ta fazendo sol até as oito e meia da noite agora.

Que eu to trabalhando mais que antes.

Que o meu chefe novo não gosta de mim.

Que só agora eu descobri que Legião Urbana cantava música do Menudo.

Que eu caí de cabeça no gelo e meu pescoço nunca mais foi o mesmo.

Que morreu aquele artista, não sei se você viu.

Que eu li uma matéria e lembrei de você.

Que eu ouvi uma música e lembrei de você.

Que eu aprendi a tocar aquela que você gosta no violão.

Que eu ando fazendo trilha.

Que a minha bicicleta quebrou.

Que eu troquei o Netflix pelo HBO.

Que eu pedi pra uma amiga

me levar de carro na prova da autoescola,

mas a gente errou o endereço e agora eu tenho que esperar

mais dois meses pra fazer a prova de novo;

contando não tem graça mas

foi engraçado

ali

na hora.

Que eu tenho medo de voltar no médico.

Que eu provei salgadinho de camarão e gostei.

Que eu me pergunto todo dia se eu tomei a decisão certa.

Que eu devia estar comemorando o fato de que, sim, eles querem que eu fique.

Que a cama ficou grande demais só pra mim, e agora eu durmo no sofá.

Que não ta tudo bem, não.

Que às vezes bate saudade.

Que às vezes bate mágoa.

Que às vezes bate vontade de nunca mais sair de casa.

Que eu ainda olho,

distraído,

por reflexo,

o telefone

achando que você escreveu,

dizendo “às vezes bate saudade”.

Que às vezes,

só às vezes,

esqueço de você e fica só aquele incômodo suportável.

E que é sempre nesse dia que você aparece de novo.

Que eu vi aquela sua piada e passei o dia rindo, mas preferi não te dizer.

Que eu sei que você já encontrou alguém. Alguéns.

E que quando não deu certo com eles, você escreveu

dizendo que lembrou de mim por

qualquer banalidade.

E que isso doeu

(quem sabe, o karma —

eu também já fiz isso

certa vez,

em outro final de outra vida).

Que eu até fiz um esforço, eu juro,

mas não dá pra tentar encher o vazio que você deixou

com uma desconhecida que arrastou a minha foto pra a direita.

Que quem sabe com o tempo.

Que um amigo me deu a televisão antiga dele.

Que minha família vem visitar.

Que aquele cara já não sabe mais se casa.

Que eu achei uma foto que você ia rir.

Que eu descobri, sem querer, um evento que eu queria te levar se a gente ainda

estivesse naquela viagem.

Que hoje eu odeio aquela cidade.

Que mande notícias quando der. Mas se não der, tudo bem.

Que a chuva deu uma aliviada.

Que o tempo ta bom.

Que outra hora a gente se fala.

Que vamos marcar qualquer dia desse.

Que agora eu to meio ocupado, mas depois a gente tem que botar o papo em dia.

Que desculpa, eu estava tentando ligar pra a próxima pessoa na agenda.

Que foi engano.

Que ta tudo bem.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.