“Elephant”

Os spoilers são responsáveis por ataques de ira, amizades desfeitas, separações e brigas de família. Destruir a experiência do espectador contando o final de uma história já devia ser crime capital, pessoas que praticam essa maldade deviam pagar por isso.

Mas e se a história que um filme vai contar todo mundo já conhece? O desfecho já não é o principal e mais esperado? Como proceder, como contar essa história? É aí que o talento de um ótimo diretor entra, uma cara que sabe usar a narrativa e a edição a favor de um grande filme, no caso esse cara é o diretor americano Gus Van Sant.

“Elephant” é inspirado no trágico massacre na Columbine High School, em Jefferson County, no estado Americano de Colorado em 1999. Os alunos Eric Harris e Dylan Klebold após longo planejamento, entraram na escola armados com diversas armas e explosivos e mataram 13 pessoas, 12 alunos e um professor, além de deixarem mais de 20 feridos. O ataque acabou com o suicídio dos jovens assassinos. O acontecimento resultou em uma grande discussão sobre o uso da internet, jogos violentos, cultura underground, bullying e principalmente sobre o uso liberado de armas de fogo nos EUA (fato que rendeu um ótimo documentário do diretor Michael Moore, “Bowling for Columbine”).

O filme guia o espectador pelo mundo cotidiano de uma escola, com romances bobos, meninas preocupadas com suas vidas sociais, esportistas, excluídos e toda a fauna clássica dos colegiais. A pegada realista do filme por vezes soa até documental, sem nunca transformar qualquer um dos personagens em um grande vilão ou vítima. E é nesse ponto que a direção fisga o público, você se depara em um ambiente comum e sabe que a qualquer momento pode começar o massacre e toda aquela calma costumeira vai se transformar em puro horror.

Um dos fatores que mais guiam para dentro da história é a montagem, que acompanha em curtos trechos alguns dos estudantes da escola, um completamente diferente do outro. O recurso de ida e volta em um pequeno espaço temporal mostra todos esses alunos convivendo em um pequeno espaço de tempo. Enquanto isso vemos parte da preparação dos alunos assassinos, comprando armas pela internet e jogando jogos violentos
.
“Elephant” é um filme pesado, daqueles que exigem da audiência um certo preparo para presenciar um acontecimento extremamente trágico. O filme realiza com clareza a tarefa que se dispôs a fazer, uma obra maravilhosamente deprimente.

Um soco no estômago.