Para minha mortalha

Sobre meu cadáver, verta
as flores do outono imberbe.
Que me sirva de coberta
a cor que já não lhe serve,
seja minh’alma liberta
e seja acesa outra verve.