Quem está ganhando a batalha entre Marvel e DC na TV?

Uma breve comparação entre as diferentes abordagens das produções das principais editoras de quadrinhos nas telinhas

Arrow, Demolidor, Agents of Shield e Supergirl são sucesso por motivos distintos

Da mesma forma que os quadrinhos se diferenciam por alguns detalhes, como o uso cidades reais ou de lugares fictícios estilo Gotham City, as séries televisivas da Marvel e da DC Comics também apostam em soluções estratégias ainda mais marcantes para construir sua audiência. Pensando em criar mais tempo de tela para desenvolver seus muitos personagens e honrar o legado da cultura pop, a Casa das Ideias se beneficia de produções integradas ao seu já bem-sucedido universo cinematográfico. Do outro lado, a DC aposta em novos formatos para oferecer programas de super-heróis nas telinhas, correndo por fora dos blockbusters sombrios criados pela empresa.

Primeiro veio Arrow, a grande sensação baseada no universo da DC. Depois a companhia decidiu alçar voos mais altos lançando The Flash, Legends of Tomorrow e Supergirl. Agora, os produtores da Warner Bros. e da emissora CW estão aventurando-se em versões cada vez mais descontraídas, leves e em cores bem vivas, sendo que muitas dessas interpretações foram construídas a partir de histórias clássicas dos gibis. Recentemente um crossover juntou todos os heróis e heroínas do Universo DC da TV em uma trama única, deixando outro aguardado encontro de ícones da mesma editora comendo poeira, já que o primeiro filme da Liga da Justiça só estreia em novembro.

Sem medo de arriscar, os autores do estúdio testam diferentes ambientações e temas para antecipar e seguir as tendências, usando principalmente o humor como principal caminho para expandir seu público diante da concorrência. Durante um evento realizado para Associação de Críticos Televisivos dos EUA, no início desse ano, o presidente do canal CW, Mark Pedowitz, anunciou que novas temporadas para todos seus programas já estão encomendados e disse:

Ao longo dos últimos anos, a CW tem construído um calendário de performance digna; desde o nosso line up de super-heróis até às comédias aclamadas pela crítica e dramas de ficção científica. Renovações adiantadas dessas sete séries permitem que nossos produtores planejem com mais antecedência a próxima temporada, nos dando uma base sólida para construir nosso próximo ano.

Enquanto isso, na Marvel, as coisas parecem estar bem definidas em seu famoso cronograma de lançamentos de filmes baseados nos quadrinhos. Com o mesmo tom da franquia Os Vingadores, mas não os mesmos recursos, a série Agents of S.H.I.E.L.D., exibida pela ABC, ainda segue na sombra dos acontecimentos do cinema, por exemplo. Paralelamente, a companhia comprada pela Disney em 2009 também aposta em um projeto de atrações mais adultas e exclusivas de sua parceria com a plataforma da Netflix.

O sucesso das primeiras temporadas de Demolidor, Jessica Jones e Luke Cage explorando um elenco compartilhado, relacionamentos maduros e a influência psicológica de superpoderes em cenários realistas, abriram oportunidades para enredos de O Justiceiro, Punho de Ferro e da equipe Os Defensores, títulos inéditos na televisão que deve estrear somente no segundo semestre desse ano.

Em uma entrevista recente para matéria de capa da revista Entertainment Weekly o ator Charlie Cox (Demolidor), explicou qual será a pegada dessa nova série e como é trabalhar em um time de heróis:

Pelo o que gravamos até agora, eles realmente querem fazer a diferença e ajudar as pessoas. Quando o encontramos no início de Os Defensores ele [Demolidor] ainda não está completamente em paz com a ideia de deixar suas ações como vigilante. Não está convencido de que Jessica Jones sente isso tão fervorosamente, mas paradoxalmente, esses grandes poderes também são motivo de vergonha. Esses personagens vivem com vergonha, sozinhos, e sentiam-se um pouco de lado na sociedade. Acho que se sentiam com aberrações e incompreendidos. E por mais triste que isso soe, há algo de belo nisso. Há algum muito humano sobre isso.