O fim do Hangar 110 e a tristeza de uma geração inteira.

Eu já deveria ter escrito algo a respeito do encerramento do Hangar 110, mas estive muito cansado nestes últimos dias. Essa foi sem dúvida a notícia mais triste da semana, do ano e talvez da vida (com 22 anos hahaha).

O Hangar 110 é um lugar especial no meu coração. Eu recordo que quando criança, assistia MTV a todo momento e sempre observava cenas de shows e matérias sobre a casa. Eu pensava:

“Poxa, esse lugar é bacana, eu quero ir lá algum dia.”

Com 15 anos, visitei a casa pela primeira vez. Eu recordo que era o show de lançamento do Disco Preto da banda Dance Of Days. Aquela galera pulando do palco, dançando, se batendo na roda; tudo aquilo me emocionou. Eu achava que não me encaixava em lugar nenhum, mas aquele lugar me agradou. Eu me senti em casa. Não havia lugar melhor.

Depois desse show, voltei lá muitas e muitas vezes. Foram inúmeros shows do Dead Fish, Garage fuzz, Zander, Cólera, Chuva Negra, Sugar Kane, Olho seco, Agrotóxico e muitas outras bandas.

Participei de Inúmeros “moshs”, stage dives, me machuquei muito e machuquei outras pessoas. Fiz muitos amigos lá dentro, vivi momentos inesquecíveis e me diverti muito. Infelizmente, tudo tem um fim.

Obrigado por tudo, Hangar 110. Obrigado pelos amigos, pelos shows, pela diversão e pelos momentos maravilhosos que você me proporcionou desde 2010; sem você, minha adolescência teria sido muito mais traumatizante. Quero aproveita cada momento juntos neste último ano.

Like what you read? Give Guilherme Góes a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.