Ai de mim se eu fosse não eu!

Até que ponto eu sou influenciado pelas pessoas?

Acredito que a maioria das pessoas sonham em conquistar algo, mas a questão é no que são baseadas essas conquistas. Você quer porque você ama ou porque seus amigos têm ou querem o que você acha que quer? Quanto você se conhece? Ao ponto de dizer que morreria fazendo algo? Você é confiante em relação ao seu futuro ou deposita sua confiança na determinação dos outros?

Apoiar-se nos ombros de gigantes não é o mesmo que pedir pra eles te jogarem pro alto.

Isso significa que se você depende da motivação de terceiros para fazer o que acha que quer fazer, você já está dez mil passos atrás de qualquer pessoa que tem a audácia de se expor ao risco por ela mesma. Talvez você ainda não seja confiante, isso leva tempo, eu mesmo não me considero 100% confiante. Mas lembre-se que insegurança não é sinônimo de vulnerabilidade, ela o ajuda a manter o equilíbrio entre a prevenção e a confiança excessiva dos seus atos.

Algumas pessoas irão morrer inseguras, outras irão colher frutos da confiança e ainda há algumas que irão quebrar a cara por conta do excesso dela. Na minha opinião a confiança é fruto do autoconhecimento, ela é nutrida pela sua perspectiva e o motiva a tomar ação independente do que os outros pensam. Toda vez que me sinto inseguro com relação ao meu destino ou quando alguém me diz que devo fazer algo, tenho o mesmo insight :

É melhor errar sob as circunstâncias que você criou baseada na sua intuição, do que depositar seus esforços na intuição de terceiros, durante sua vida inteira.

Você só consegue as coisas quando encara elas com a verdade, particularmente não me puno por ser quem sou, apenas aceito o autojulgamento como verdade. Me achava um merda em muitas coisas? aceitei, e me perguntei como me tornar mais inteligente, descobri que educação vai além da escola e trouxe isso pra minha vida. Me considerava péssimo em muitas coisas, mas o desejo pelo aprendizado de determinada coisa sempre me gerou uma ação substancial, que na prática você descobre que cria julgamentos desnecessários na mente a todo instante. E com esse pensamento busco o que quero me tornar em 5, 10 ou até 20 anos.

“Uma vez que você aceita quem você é, você para de duvidar de si mesmo.”

A gente passa a ter acesso a tanto conteúdo, ver tantas “versões” do que a vida pode ser, que tomamos como objetivo principal a vida de alguém, consequentemente esquecemos do autoconhecimento. Poder parecer meio clichê, mas a vida é como um livro e todos os dias escrevemos nele, só que as vezes não paramos para ler. Para escrever um livro, você deve estar disposto a vivenciar novas experiências, disposto a aprender algo novo todos dos dias, disposto a sofrer.

Nos momentos mais difíceis, seja capaz de entender que se você passou por aquilo porque se expôs ao risco. A confiança é a caneta, sem ela nada será escrito, ela irá lhe guiar e ajudará a virar páginas durante a vida, e espero que no final você tenha uma grande história.