O pássaro e o baseado

Eu acordei como todos os dias (que eu acordo) e fui para a cozinha de cueca preparar meu café. Com ele em mãos, fui para a varanda me preparar para o ritual matinal de tomar uma xícara inteira enquanto contemplo a cidade maravilhosa que é São Paulo visto do meu AP.

No fim de semana o ritual tem a adição de um baseado para finalizar o café e atiçar o apetite. De repente enquanto acendia vi um passarinho pousar na janela e sorri. Continuei olhando para o horizonte enquanto tragava na companhia do meu novo amiguinho, e exclamei:

  • Essa cidade, ainda que com suas peculiaridades, é bela.

Para minha surpresa, o pássaro virou para mim e disse com uma voz meio baixa:

  • O que é a beleza? Você pode me dizer?

Eu fiquei um pouco assustado, tenho que admitir, até joguei o baseado pela janela imaginando que seria culpa dele. Resolvi que era coisa da minha mente, mas mesmo assim respondi, afinal não queria parecer mal educado.

  • Não sei dizer exatamente, a beleza é aquilo que eu acho belo baseado nos meus conceitos. Por que você fez essa pergunta? O que é beleza pra você? — nesse ponto eu estava engajando um conversa com um pássaro, pois é.
  • Tudo é belo, desde que seja visto pelo ângulo certo. Além disso, nada é belo, porque belo é um conceito humano e, portanto, não totalmente aplicável à realidade. — disse ele, em um tom de sabedoria. Eu não entendi exatamente o que ele disse, mas não queria parecer ignorante perto do pássaro então concordei com a cabeça e adicionei, sorrindo:
  • A beleza está nos olhos de quem vê, é subjetivo. É o nascer do sol, é o sorriso da minha mulher, e isso é a vida.
  • E, no entanto, também é o sol, é o bater de asas, é a tragédia da morte. Como é que pode estar presente em tantas coisas que são tão opostas? — nesse momento eu passei a prestar bastante atenção no que ele falava e ele continuou explicando.

Eu comecei a ficar confuso, e admitindo minha ignorância diante do pássaro, pedi por respostas que estavam incomodando minhas entranhas.

  • Mas então, a vida é realmente tão oposta à morte como nós acreditamos? Será que acreditar na ideia de uma unidade universal pode ser algo poético e maravilhoso? No entanto, ao fazer isso, eu sinto que nós perderíamos a beleza intrínseca de ver o contraste, a variância e diversidade que existe nesse vasto e complexo universo.

Ao passo que prontamente ele respondeu:

  • Mas humano, se você parar pra pensar, unidade e dualidade são igualmente irrelevantes em termos de beleza e portanto devem ser irrelevantes em outros lugares. Lembre-se da afirmação anterior de como conceitos humanos não são totalmente aplicáveis à realidade. Unidade e dualidade são ambos conceitos humanos e qualquer metáfora para o universo é um constructo também. No entanto, é através de constructos que podemos aprender tudo que há pra ser aprendido, e por isso estou determinado a encontrar uma maneira que seja capaz de representar compreendendo tanto a unidade quanto a separação do contraste, sua dualidade.

Foi aí que ao findar essas palavras confusas o pássaro maluco voou rumando a liberdade eu tive certeza de que jamais deveria falar com pássaros novamente. Principalmente se ele for mais esperto que eu.

Não entendi nada.

Malditos ensinamentos.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.