A proposta — O dia que demiti minha empresa

Cap. 3 — A proposta

Este é o Capítulo 3 do reality-book que estou escrevendo. Sugiro que você comece pela introdução: O dia que demiti minha empresa: Como 5 dias fora do escritório me mudaram, mudaram o rumo de meu negócio e para onde eu fui.

Como já disse, demitir não é fácil. E repito: você não pode demitir um funcionário de graça. Você pode ainda menos demitir um sócio de graça. E você não pode de jeito nenhum demitir a sua empresa de graça.

Pra mim era muito duro chegar de uma viagem e demitir todos de uma vez. Eles já sabiam que não era sem motivo, há tempos venho alertando da situação de produtividade da empresa. Mas infelizmente isto não é algo específico da minha empresa, mas cultural de minha cidade. — Falarei sobre isso em um outro capítulo.

Dica 01: Construa sua empresa em um local de cultura similar à que você quer criar. Não se prenda a cidades, estados e países. Construa sua empresa em um ambiente propício para seu crescimento.

Mesmo com inúmeros motivos para demití-los. Antes de anunciar de fato a decisão, solicitei propostas vindas de cada um dos três. Todos sabiam que há tempos venho solicitando propostas deles e me deixando ser enrolado por "vou tentar fazer isso e aquilo". Informei que desta vez não aceitaria enrolação, queria propostas concretas.

Dica 02: Exija propostas concretas. Não aceite "vou tentar", geralmente isto é seguido de "eu tentei, mas não consegui". Uma proposta concreta deve ser algo como: "Eu vou fazer X, em Y tempo".
Dica 03: Proponha, mas certifique-se da proposta ser do outro e não sua. Como líderes, sempre teremos que fazer propostas aos liderados. Faça a proposta, e peça para que eles a repitam em voz alta, para passar a ser deles. Não é questão de obrigá-los, mas sim de confirmar o aceite da proposta.

O silêncio

O silêncio de quando se espera por algo sempre gera suspense. Como este é um reality-book, enquanto você aguarda comigo ansiosamente as propostas, vou abrir um parênteses para falar sobre entrega.

(Entrega)

Tudo em uma empresa deveria funcionar em forma de processo. Tudo deveria ter um início, meio e fim. E ter processos não é necessariamente ser burocrático.

O início é o plano. Tudo deve ter um plano, que não necessariamente tem que ser algo elaborado. Geralmente um simples "eu vou fazer isso" basta.

O meio é a execução. Em tese é a parte menos importante do processo. Não importa muito como será executado, atingir o fim é o que importa. Mas é aqui que se separa quem é melhor e quem é pior. Os melhores buscarão execuções mais práticas e produtivas, e se for preciso executar o processo novamente, farão de uma forma ainda melhor. Os ruins simplesmente o farão. Os péssimos, assim como eles, nem vou perder meu tempo.

Dica 04: O ato de fazer não caracteriza um bom profissional. O bom profissional faz de forma eficiente. Sempre que necessário fazer novamente, buscar uma forma ainda melhor. Se for algo recorrente, vai buscar métodos de automatizá-lo, mesmo que parcialmente.

O fim é a entrega. Se não tem entrega, tudo foi perdido. O objetivo dos processos não é "estar tentando" ou "estar fazendo", é entregar. Na minha opinião, pior que não executar uma tarefa ou um processo, é não entregá-lo. Se você executa e não entrega, você perdeu o seu precioso tempo e provavelmente o de outras pessoas que estavam contando com aquilo. Se for uma entrega realmente necessária, outra pessoa que não deveria, terá que fazer tudo o que você fez novamente e em um tempo menor que você teve para "não fazer".

Dica 05: O objetivo é entregar e não fazer. Se você faz e não entrega seu tempo e de outras pessoas é perdido.
Dica 6: Se não vai entregar, não execute. Assuma sua incompetência logo no início e não perca seu tempo, nem o dos outros.

Agora sim, as propostas!

Assim como eu, você aguardou pra chegar até às propostas. A única diferença foi que aguardei por 15 minutos de puro silêncio.

Quando a gente espera ansiosamente por algo, nada mais justo do que recebê-lo, certo? E quanto mais tempo aguardamos por uma proposta, geralmente esperamos que sejam ótimas, concorda? Bom é assim que eu penso.

Três pessoas mudas pensando, por longos 15 minutos. Outra pessoa muda aguardando 3 propostas, não por 15 minutos, mas por meses e enfim chega o momento da proposta final.

Você também está esperando a proposta? Então, a questão é que não existe proposta. Inacreditável, não é? Foi o que pensei. 3 pessoas pensando e nenhuma proposta. Uma tentou dizer "vou tentar melhorar", mas não passou disso. Tentar não é uma proposta.

Mas não vou deixar você, leitor, sem uma proposta, assim como não poderia deixar eles sem uma proposta. Não considero educado isso. Eu tinha uma proposta para todos. É o que conto no Capítulo 04 — A minha proposta.

Me siga no Medium para receber os novos capítulos.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Guima Ferreira’s story.